segunda-feira, 25 de setembro de 2017

E na terça, 3 de Outubro, pelas 19h recomeça na Antena Dois o Teatro sem Fios. Com MULHERES QUE SONHARAM CAVALOS do argentino Daniel Veronese. E continua A VERTIGEM DOS ANIMAIS ANTES DO ABATE de Dimítris Dimitriádis e também o LABIRINTO X001 de Xana.


Mulheres Sonharam Cavalos de Daniel Veronese Com Andreia Bento, Inês Pereira, João Meireles, João Pedro Mamede, Pedro Carraca e Vânia Rodrigues Direcção António Simão
Na Antena 2, Teatro Sem Fios, 3 de Outubro às 19h00
Seis personagens numa casa pequena, um corte nas suas vidas. O que desencadeia o conflito é o anúnio do encerramento do negócio de família. Um almoço que nunca se concretiza. Sobre a necessidade de estar no ar, quando a terra não pode mais suportar o peso do nosso pensamento.


Fotografia © Jorge Gonçalves



A VERTIGEM DOS ANIMAIS ANTES DO ABATE de Dimítris Dimitriádis Tradução José António Costa Ideias Com João MeirelesInês Pereira, Américo Silva, Vânia RodriguesAndré Loubet, Pedro Baptista, Pedro Carraca, João Pedro Mamede Nuno Gonçalo Rodrigues Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Assistência de Encenação Nuno Gonçalo Rodrigues e Isabel Muñoz Cardoso Encenação Jorge Silva Melo M16
 
No Teatro da Politécnica de 13 de Setembro a 28 de Outubro
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00

Milítsa Já te disse – não somos boas para nada – sempre inquietas, sempre vazias – suplicamos, queixamo-nos – não somos feitas para nada, só para o mal – fomos nós que destruímos o Paraíso.

Dimítris Dimitriádis, A Vertigem dos Animais Antes do Abate

Tudo cai, tudo está a ruir, a morte anda por aí neste texto seminal de um grande poeta de Salónica, récia. Riso, gritos, paixões, lágrimas, abraços, esperma. “O nosso dever”, diz Dimitriádis, "é voltar a fazer entrar personagens nos palcos que Beckett esvaziou para sempre”. Pois, paradoxal, vertiginoso.

Fotografia © Jorge Gonçalves




No Teatro da Politécnica de 13 de Setembro a 28 de Outubro
3ª a 6ª das 17h00 | Sáb. das 15h00 até ao final do espectáculo

LABIRINTO  X001, paisagem artificial num diagrama habitável, com acções e talvez línguas até que o lugar fique estranho ou como diria Fernando Pessoa: tentaremos a metafisica dos chocolates.
Passeamos em todos sonhos do mundo como numa confeitaria.

Xana, Primavera 2017

Fotografia© Jorge Gonçalves

Sem comentários:

Publicar um comentário