segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

No Teatro da Politécnica, até sábado 22 de Fevereiro, A MÁQUINA HAMLET de Heiner Müller. E hoje, na Imprensa Nacional-Casa da Moeda, Lia Gama e Jorge Silva Melo lêem Sophia de Mello Breyner Andresen. É A VOZ DOS POETAS. E no sábado 25 de Janeiro, retomamos as leituras EM VOZ ALTA na Casa Sommer, em Cascais. Até 25 de Janeiro, pode ainda visitar a exposição NESTES ÚLTIMOS TEMPOS de Jorge Gonçalves, em Aveiro, no Teatro Aveirense.


A MÁQUINA HAMLET de Heiner Müller Tradução Maria Adélia Silva Melo e Jorge Silva Melo Com Américo Silva, André Loubet, Hugo Tourita, Inês Pereira, João Estima, João Madeira, João Pedro Mamede e José Vargas Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Música original João Madeira Luz Pedro Domingos Assistência de Encenação Inês Pereira Encenação Jorge Silva Melo M12

No Teatro da Politécnica de 15 de Janeiro a 22 de Fevereiro
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb às 16h00 e 21h00

Quero habitar nas minhas veias, na medula dos meus ossos, no labirinto do meu crânio.
Heiner Müller, A Máquina Hamlet

Um homem ergue-se das ruínas da história para anunciar que foi Hamlet. Para escapar à violência cíclica e contínua da história, o passado é questionado e desconstruído. Longe da narrativa psicológica, a paisagem da revolução traída. “O slogan da era Napoleónica ainda se aplica: Teatro é a Revolução em marcha.”

Ainda li este texto manuscrito, passado clandestinamente da antiga RDA até à casa de Jean Jourdheuil no Bolulevard St Germain, em Paris onde tantas noites ouvi Heiner conversar bebendo uísque e café até nascer o dia. Traduzi-o então (1977?), no rescaldo do 25 de Novembro, quando sobre os nossos desejos se erguia a asa da normalização democrática. Li-o vezes sem conta, voltei a traduzi-lo. E eis que chega a altura de o lembrar. De o fazer com actores novos com quem quero conversar sobre o que perdemos, o que quisemos, o que tentámos, o que traímos, o que não soubemos, o preço desta vida que lhes deixamos, e as mulheres. E claro, convosco, falar da Esperança, imensa Maldição. Volto a Heiner Müller como quem volta àquelas longas conversas na cozinha do Jean. “Olha, já é manhã! Temos de ir dormir!”

JSM

Fotografia © Jorge Gonçalves



A VOZ DOS POETAS
leituras de poesia portuguesa pelos Artistas Unidos

Na Biblioteca da Imprensa Nacional (Rua da Escola Politécnica) vamos ler poesias de alguns poetas editados pela INCM. Porque gostamos de dar a voz aos poetas, voz alta.

Na Biblioteca da Imprensa Nacional, às 18h30:
2ª feira, 20 de Janeiro – Sophia de Mello Breyner Andresen por Lia Gama e Jorge Silva Melo.



EM VOZ ALTA 
os nossos poetas 
leituras de poesia portuguesa pelos Artistas Unidos

Eu gosto de ler em voz alta, eu gosto de ouvir poesia lida pelos actores com quem trabalho, eu gosto de poesia lida para várias pessoas, eu gosto de leituras de poesia, ver gente, sentir gente à volta das palavras suspensas do poeta.

Em Cascais, na Casa Sommer, às 18h30:
Sábado, 25 de Janeiro - Sophia de Mello Breyner Andresen por Lia Gama Jorge Silva Melo.

Fotografias © 
Jorge Gonçalves



NESTES ÚLTIMOS TEMPOS de Jorge Gonçalves

No Teatro Aveirense de 6 de Dezembro a 25 de Janeiro

São retratos, são cenas de peças, são planos gerais, são cenas de conjunto, são momentos. Jorge Gonçalves fotografa-nos  desde 1998. E agora, depois de exposição do Teatro da Politécnica, começamos a mostrá-los nos locais nossos amigos. Tanta gente, nestes últimos tempos. Com o coração.

Jorge Silva Melo
Fotografia © Jorge Gonçalves

Sem comentários:

Publicar um comentário