quinta-feira, 2 de novembro de 2017

E enquanto vamos à Guarda com JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams, (sábado 4), os Cena Múltipla estão no Teatro da Politécncia com OS MORTOS NÃO BEBEM CHÁ, a partir de Daniil Harms. Apenas 6ª, 3 e sábado 4.

JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams Tradução José Miguel Silva Com Isabel Muñoz CardosoJoão Pedro MamedeGuilherme Gomes e   Vânia Rodrigues Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Som André Pires Encenação Jorge Silva Melo M14
 
Na Guarda, no Teatro Municipal da Guarda a 4 de Novembro

No Teatro da Politécnica de 8 a 18 de Novembro

4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00

Em Estarreja, no Cine-Teatro de Estarreja a 2 de Dezembro
Em Ponte de Lima, no Teatro Diogo Bernardes a 8 de Dezembro

TOM Hoje em dia o mundo é atravessado por relâmpagos que o iluminam! Apaga as velas, Laura - e adeus...

Tennessee Williams
, Jardim Zoológico de Vidro

Derrotados, sim, abandonados, sem hipótese, deixados para trás, com a electricidade cortada e contas por pagar, vencidos: mas estes são os invencíveis, esses sonhadores que Tennessee Williams cantou.

Jorge Silva Melo


Fotografia © Jorge Gonçalves

OS MORTOS NÃO BEBEM CHÁ de Daniil Harms Com Beatriz Soares, Carina Henriques, Diana Lima, Francisca Silva, João Pinto, Leonor Vilar, Ricardo Jacob e Sofia Almeida Cenário e Figurinos Catarina Pé Curto com os intérpretes Voz Pedro d’Orey Luz Francis Seleck Fotografia Catarina Pé Curto Encenação Francis Seleck Produção Cena Múltipla – Associação Cultural O Mundo do Espectáculo Apoio Câmara Municipal de Almada

No Teatro da Politécnica a 3 e 4 de Novembro
6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00

Impotentes perante uma realidade que as procura destruir e precipitadas num mundo às avessas, as personagens vivem o seu extraordinário quotidiano sem sentido, retidas numa armadilha que põe à mostra os lados mais secretos da consciência humana.
Numa sucessão de pequenas histórias absurdas, surrealistas, recheadas de humor negro, tragicamente cómicas e próximas do “non-sense”, o pequeno mundo de Daniil Harms atravessa situações sem saída, perturbado por uma inesperada razão louca, em luta contra o sentido, numa sensação de pesadelo iminente que se torna realidade.
 
Fotografia © Catarina Pé Curto 




Sem comentários:

Publicar um comentário