segunda-feira, 6 de julho de 2020

E é já esta semana que apresentamos UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA de Bohumil Hrabal no Festival de Almada. 6ª 10 a domingo 12, no Incrível Almadense. E seguimos depois para o Teatro da Rainha. Na 5ª, 9 de Julho, lembramos A MÁQUINA HAMLET de Heiner Müller. No Facebook e YouTube dos Artistas Unidos, UMA PEÇA DE CADA VEZ.


UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA a partir do romance de Bohumil Hrabal de e Com António Simão Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos M12

No Festival de Almada, no Incrível Almadense de 10 a 12 de Julho

Nas Caldas da Rainha, no Teatro da Rainha de 16 a 18 de Julho

“O céu não é humano e o homem que pensa nem sequer pode ser humano.”
Bohumil Hrabal

Criado em 1997, com estreia no CCB, os Artistas Unidos retomam agora, 23 anos depois, um espectáculo criado por António Simão a partir da novela de Bohumil Hrabal, autor maior. Não é uma reposição, é uma revisão da matéria dada.

Em Praga, há uma cave. Brilhante como uma gruta de tesouros. Sombria e suja como um esgoto. Nessa cave há milhares de livros, centenas de ratos, visões passageiras e palavras que tornam o mundo grande. E há um homem, Hanta. Que há 30 anos empurra afectuosamente os livros, os mais belos e mais banais, para a prensa que os tritura e transforma em cubos de papel. Mas Hanta é um “carniceiro terno”. Sabe salvaguardar as palavras guardando-as na memória, para que elas brilhem que nem sóis, e para que esses sóis o ajudem a ver como pode ser a vida de um homem. Por entre a poeira, o suor e o cheiro a cerveja que não pára de beber, Hanta fala-nos.

Evelyne Pieiller

Fotografia © Jorge Gonçalves




UMA PEÇA DE CADA VEZ
A MÁQUINA HAMLET 
de Heiner Müller

Lembramos espectáculos que fizemos. Sim, o teatro fica na memória e é segredo entre nós. Mas digam aos outros que existimos. Uma peça de cada vez.

Disponível a 9 de Julho no Facebook e YouTube dos Artistas Unidos

Fotografia © 
Jorge Gonçalves

segunda-feira, 29 de junho de 2020

Na próxima semana estaremos no Festival de Almada com UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA de Bohumil Hrabal. De 10 a 12 de Julho no Incrível Almadense e logo na semana seguinte, estaremos nas Caldas, no Teatro da Rainha de 16 a 18 de Julho. E todos os sábados, até 18 de Julho, podemos ouvir Carlos de Oliveira EM VOZ ALTA. Leituras de poesia portuguesa, agora em novo formato on-line, com a Casa Sommer de Cascais.


UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA a partir do romance de Bohumil Hrabal de e Com António Simão Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos M12

No Festival de Almada, no Incrível Almadense de 10 a 12 de Julho

Nas Caldas da Rainha, no Teatro da Rainha de 16 a 18 de Julho

“O céu não é humano e o homem que pensa nem sequer pode ser humano.”
Bohumil Hrabal

Criado em 1997, com estreia no CCB, os Artistas Unidos retomam agora, 23 anos depois, um espectáculo criado por António Simão a partir da novela de Bohumil Hrabal, autor maior. Não é uma reposição, é uma revisão da matéria dada.

Em Praga, há uma cave. Brilhante como uma gruta de tesouros. Sombria e suja como um esgoto. Nessa cave há milhares de livros, centenas de ratos, visões passageiras e palavras que tornam o mundo grande. E há um homem, Hanta. Que há 30 anos empurra afectuosamente os livros, os mais belos e mais banais, para a prensa que os tritura e transforma em cubos de papel. Mas Hanta é um “carniceiro terno”. Sabe salvaguardar as palavras guardando-as na memória, para que elas brilhem que nem sóis, e para que esses sóis o ajudem a ver como pode ser a vida de um homem. Por entre a poeira, o suor e o cheiro a cerveja que não pára de beber, Hanta fala-nos.

Evelyne Pieiller

Fotografia © Jorge Gonçalves



EM VOZ ALTA 
os nossos poetas
leituras de poesia portuguesa pelos Artistas Unidos


20 de Junho a 18 Julho – Carlos de Oliveira

Os Artistas Unidos retomam as leituras EM VOZ ALTA, os Nossos Poetas em parceria com a Fundação D. Luís I e a Câmara Municipal de Cascais. Os actores Catarina Wallenstein, João Meireles, Lia Gama, Luís Lucas, Manuel Wiborg, Maria João Luís, Nuno Gonçalo Rodrigues e Jorge Silva Melo lêem poetas portugueses Em Voz Alta agora numa versão on-line.

Os spots são disponibilizados ao sábado nas páginas de Facebook do Bairro dos Museus e da Fundação D. Luís e no canal de Youtube da Fundação D. Luís I.


Eu gosto de ler em voz alta, eu gosto de ouvir poesia lida pelos actores com quem trabalho, eu gosto de poesia lida para várias pessoas, eu gosto de leituras de poesia, ver gente, sentir gente à volta das palavras suspensas do poeta.

Jorge Silva Melo

segunda-feira, 22 de junho de 2020

UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA de Bohumil Hrabal vai andar por aí: Almada, Caldas da Rainha, Setúbal, Lisboa, Cacém... E esta semana voltamos a UMA PEÇA DE CADA VEZ para lembrar O CINEMA de Annie Baker. Na 5ª 25 de Junho, no Facebook e YouTube dos Artistas Unidos. Continuamos a ler EM VOZ ALTA, em colaboração com a Casa Sommer de Cascais. No próximo sábado, 27, continuamos a ouvir o ciclo Carlos de Oliveira.


UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA a partir do romance de Bohumil Hrabal de e Com António Simão Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos M12

No Festival de Almada, no Incrível Almadense de 10 a 12 de Julho

Nas Caldas da Rainha, no Teatro da Rainha de 16 a 18 de Julho
No Festival Internacional de Teatro de Setúbal a 23 de Agosto
No Teatro da Politécnica de 27 de Agosto a 19 de Setembro
No Cacém, no Auditório Municipal António da Silva a 3 de Outubro

“O céu não é humano e o homem que pensa nem sequer pode ser humano.”
Bohumil Hrabal

Criado em 1997, com estreia no CCB, os Artistas Unidos retomam agora, 23 anos depois, um espectáculo criado por António Simão a partir da novela de Bohumil Hrabal, autor maior. Não é uma reposição, é uma revisão da matéria dada.

Em Praga, há uma cave. Brilhante como uma gruta de tesouros. Sombria e suja como um esgoto. Nessa cave há milhares de livros, centenas de ratos, visões passageiras e palavras que tornam o mundo grande. E há um homem, Hanta. Que há 30 anos empurra afectuosamente os livros, os mais belos e mais banais, para a prensa que os tritura e transforma em cubos de papel. Mas Hanta é um “carniceiro terno”. Sabe salvaguardar as palavras guardando-as na memória, para que elas brilhem que nem sóis, e para que esses sóis o ajudem a ver como pode ser a vida de um homem. Por entre a poeira, o suor e o cheiro a cerveja que não pára de beber, Hanta fala-nos.

Evelyne Pieiller

Fotografia © Jorge Gonçalves




UMA PEÇA DE CADA VEZ
O CINEMA 
de Annie Baker

Lembramos espectáculos que fizemos. Sim, o teatro fica na memória e é segredo entre nós. Mas digam aos outros que existimos. Uma peça de cada vez.

Disponível a 25 de Junho no Facebook e YouTube dos Artistas Unidos

Fotografia © Jorge Gonçalves



EM VOZ ALTA 
os nossos poetas
leituras de poesia portuguesa pelos Artistas Unidos

Eu gosto de ler em voz alta, eu gosto de ouvir poesia lida pelos actores com quem trabalho, eu gosto de poesia lida para várias pessoas, eu gosto de leituras de poesia, ver gente, sentir gente à volta das palavras suspensas do poeta.

Os Artistas Unidos retomam as leituras EM VOZ ALTA, os Nossos Poetas em parceria com a Fundação D. Luís I e a Câmara Municipal de Cascais. Os actores
 Catarina Wallenstein, João Meireles, Lia Gama, Luís Lucas, Manuel Wiborg, Maria João Luís, Nuno Gonçalo Rodrigues Jorge Silva Melo lêem poetas portugueses Em Voz Alta.

Com um novo formato, os recitais serão disponibilizados através das páginas de Facebook do Bairro dos Museus e da Fundação D. Luís e do canal de Youtube da Fundação D. Luís I, com o seguinte calendário:

20 de Junho a 18 Julho – Carlos de Oliveira

19 de Setembro a 23 de Outubro – Luís Filipe Castro Mendes 
24 de Outubro 20 de Novembro – José Gomes Ferreira 
21 de Novembro a 18 de Dezembro – Manuel Resende 
19 de Dezembro a 15 de Janeiro – António Franco-Alexandre 
16 de Janeiro a 12 de Fevereiro – Fernando Assis Pacheco 

Serão pequenos spots de poucos minutos com poemas do respetivo Autor e também de poetas que lhe estão próximos. Pois um poeta existe com aquilo que leu e aquilo que se lhe seguiu. Será assim que, em torno destes poetas, ouviremos os Artistas Unidos ler Camões, Camilo Pessanha, Nemésio, Mário Dionísio, Afonso Duarte, O´Neill, Mario Cesariny, Nuno Júdice, Garrett, Antero, Herberto, Manuel António Pina, Gastão Cruz...

sábado, 20 de junho de 2020

E UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA de Bohumil Hrabal estará no Festival de Almada. De 10 a 12 de Julho no Incrível Almadense. E depois nas Caldas da Rainha, em Setúbal, no Teatro da Politécnica e no Cacém. E voltamos aos nossos poetas, EM VOZ ALTA, com a Casa Sommer de Cascais, agora em versão on-line. E começamos já amanhã, sábado 20, com o ciclo Carlos Oliveira. E já chegaram os novos Livrinhos! Disponíveis na nossa livraria on-line e no Teatro da Politécnica, que se mantém aberto no horário de 2ª a 6ª das 14h30 às 17h00. Mas o melhor é sempre telefonar antes para o 961960281.


UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA a partir do romance de Bohumil Hrabal de e Com António Simão Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos M12

No Festival de Almada, no Incrível Almadense de 10 a 12 de Julho

Nas Caldas da Rainha, no Teatro da Rainha de 16 a 18 de Julho
No Festival Internacional de Teatro de Setúbal a 23 de Agosto
No Teatro da Politécnica de 27 de Agosto a 19 de Setembro
No Cacém, no Auditório Municipal António da Silva a 3 de Outubro

“O céu não é humano e o homem que pensa nem sequer pode ser humano.”
Bohumil Hrabal

Criado em 1997, com estreia no CCB, os Artistas Unidos retomam agora, 23 anos depois, um espectáculo criado por António Simão a partir da novela de Bohumil Hrabal, autor maior. Não é uma reposição, é uma revisão da matéria dada.

Em Praga, há uma cave. Brilhante como uma gruta de tesouros. Sombria e suja como um esgoto. Nessa cave há milhares de livros, centenas de ratos, visões passageiras e palavras que tornam o mundo grande. E há um homem, Hanta. Que há 30 anos empurra afectuosamente os livros, os mais belos e mais banais, para a prensa que os tritura e transforma em cubos de papel. Mas Hanta é um “carniceiro terno”. Sabe salvaguardar as palavras guardando-as na memória, para que elas brilhem que nem sóis, e para que esses sóis o ajudem a ver como pode ser a vida de um homem. Por entre a poeira, o suor e o cheiro a cerveja que não pára de beber, Hanta fala-nos.

Evelyne Pieiller


EM VOZ ALTA os nossos poetas
leituras de poesia portuguesa pelos Artistas Unidos

Eu gosto de ler em voz alta, eu gosto de ouvir poesia lida pelos actores com quem trabalho, eu gosto de poesia lida para várias pessoas, eu gosto de leituras de poesia, ver gente, sentir gente à volta das palavras suspensas do poeta.

Os Artistas Unidos retomam as leituras EM VOZ ALTA, os Nossos Poetas em parceria com a Fundação D. Luís I e a Câmara Municipal de Cascais. Os actores
 Catarina Wallenstein, João Meireles, Lia Gama, Luís Lucas, Manuel Wiborg, Maria João Luís, Nuno Gonçalo Rodrigues e Jorge Silva Melo lêem poetas portugueses Em Voz Alta.

Com um novo formato, os recitais serão disponibilizados através das páginas de Facebook do Bairro dos Museus e da Fundação D. Luís e do canal de Youtube da Fundação D. Luís I, com o seguinte calendário:

20 de Junho a 18 Julho – Carlos de Oliveira

19 de Setembro a 23 de Outubro – Luís Filipe Castro Mendes 
24 de Outubro 20 de Novembro – José Gomes Ferreira 
21 de Novembro a 18 de Dezembro – Manuel Resende 
19 de Dezembro a 15 de Janeiro – António Franco-Alexandre 
16 de Janeiro a 12 de Fevereiro – Fernando Assis Pacheco 

Serão pequenos spots de poucos minutos com poemas do respetivo Autor e também de poetas que lhe estão próximos. Pois um poeta existe com aquilo que leu e aquilo que se lhe seguiu. Será assim que, em torno destes poetas, ouviremos os Artistas Unidos ler Camões, Camilo Pessanha, Nemésio, Mário Dionísio, Afonso Duarte, O´Neill, Mario Cesariny, Nuno Júdice, Garrett, Antero, Herberto, Manuel António Pina, Gastão Cruz...


Fotografia © Jorge Gonçalves


Livrinhos de Teatro

Número 133 - Nevoeiro, Sul, Dinamarca 
de
 Lluïsa Cunillé
Número 134 - Victor ou As Crianças ao Poder de Roger Vitrac

Número 135 - Banda Sonora / The Swimming Pool Party de
 Ricardo Neves-Neves 


Já disponíveis na nossa Livraria On-Line.

TEATRO DA POLITÉCNICA

Abrimos um bocadinho o Teatro da Politécnica. 
Estará lá gente no atendimento entre as 14h30 e as 17h00 de 2ª a 6ª. 

E, claro, os assinantes que escolheram levantar os livros podem passar por lá a essas horas (com máscara...) Mas o melhor é sempre confirmar antes para o 961960281.



segunda-feira, 8 de junho de 2020

E voltamos a UMA PEÇA DE CADA VEZ. Esta semana lembramos A FARSA DA RUA W de Enda Walsh. E já pode passar pelo Teatro da Politécnica para receber encomendas ou adquirir os nossos Livrinhos. De 2ª a 6ª das 14h30 às 17h00. Mas o melhor é sempre telefonar antes para o 961960281.


UMA PEÇA DE CADA VEZ

Lembramos espectáculos que fizemos. Sim, o teatro fica na memória e é segredo entre nós. Mas digam aos outros que existimos. Uma peça de cada vez.

Disponível a 11 de Junho no Facebook e YouTube dos Artistas Unidos

Fotografia © Jorge Gonçalves



TEATRO DA POLITÉCNICA

Abrimos um bocadinho o Teatro da Politécnica. 
Estará lá gente no atendimento entre as 14h30 e as 17h00 de 2ª a 6ª. 

E, claro, os assinantes que escolheram levantar os livros podem passar por lá a essas horas (com máscara...) Mas o melhor é sempre confirmar antes para o 961960281.

segunda-feira, 1 de junho de 2020

Já pode passar pelo Teatro da Politécnica para receber encomendas ou adquirir os nossos Livrinhos. De 2ª a 6ª das 14h30 às 17h00. Mas o melhor é sempre telefonar antes para o 961960281. E UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA de Bohumil Hrabal daqui a dias voltará à estrada (em Julho! No Teatro da Rainha). E os 3 Livrinhos de Teatro de Maio, chegarão daqui por dias às casas dos assinantes e à nossa livraria on-line.


TEATRO DA POLITÉCNICA

Abrimos um bocadinho o Teatro da Politécnica. 
Estará lá gente no atendimento entre as 14h30 e as 17h00 de 2ª a 6ª. 

E, claro, os assinantes que escolheram levantar os livros podem passar por lá a essas horas (com máscara...) Mas o melhor é sempre confirmar antes para o 961960281.





UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA a partir do romance de Bohumil Hrabal de e Com António Simão Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos M12

Nas Caldas da Rainha, no Teatro da Rainha de 16 a 18 de Julho de 2020

“O céu não é humano e o homem que pensa nem sequer pode ser humano.”
Bohumil Hrabal

Criado em 1997, com estreia no CCB, os Artistas Unidos retomam agora, 23 anos depois, um espectáculo criado por António Simão a partir da novela de Bohumil Hrabal, autor maior. Não é uma reposição, é uma revisão da matéria dada.

Em Praga, há uma cave. Brilhante como uma gruta de tesouros. Sombria e suja como um esgoto. Nessa cave há milhares de livros, centenas de ratos, visões passageiras e palavras que tornam o mundo grande. E há um homem, Hanta. Que há 30 anos empurra afectuosamente os livros, os mais belos e mais banais, para a prensa que os tritura e transforma em cubos de papel. Mas Hanta é um “carniceiro terno”. Sabe salvaguardar as palavras guardando-as na memória, para que elas brilhem que nem sóis, e para que esses sóis o ajudem a ver como pode ser a vida de um homem. Por entre a poeira, o suor e o cheiro a cerveja que não pára de beber, Hanta fala-nos.

Evelyne Pieiller

Fotografia © Jorge Gonçalves



Livrinhos de Teatro

Número 133 - Nevoeiro, Sul, Dinamarca de Lluïsa Cunillé

Número 134 - Victor ou As Crianças ao Poder de Roger Vitrac

Número 135 - Swimming Pool Party / Banda Sonora de Ricardo Neves-Neves 


Disponíveis em breve na nossa Livraria On-Line.

segunda-feira, 25 de maio de 2020

E, nesta quinta-feira, lembramos POR TUDO E POR NADA de Nathalie Sarraute em UMA PEÇA DE CADA VEZ, na 5ª 28 no Facebook e YouTube dos Artistas Unidos. E retomamos em Julho UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA, a partir do romance homónimo de Bohumil Hrabal. De 16 a 18 de Julho, no Teatro da Rainha, nas Caldas Rainha. E não se esqueçam da nossa livraria on-line. Se forem comprando até 5ª 28, enviamos na 6ª 29.


UMA PEÇA DE CADA VEZ

Lembramos espectáculos que fizemos. Sim, o teatro fica na memória e é segredo entre nós. Mas digam aos outros que existimos. Uma peça de cada vez.

Disponível a 28 de Maio no Facebook e YouTube dos Artistas Unidos

Fotografia © Jorge Gonçalves




UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA a partir do romance de Bohumil Hrabal de e Com António Simão Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos M12

Nas Caldas da Rainha, no Teatro da Rainha de 16 a 18 de Julho de 2020

“O céu não é humano e o homem que pensa nem sequer pode ser humano.”
Bohumil Hrabal

Criado em 1997, com estreia no CCB, os Artistas Unidos retomam agora, 23 anos depois, um espectáculo criado por António Simão a partir da novela de Bohumil Hrabal, autor maior. Não é uma reposição, é uma revisão da matéria dada.

Em Praga, há uma cave. Brilhante como uma gruta de tesouros. Sombria e suja como um esgoto. Nessa cave há milhares de livros, centenas de ratos, visões passageiras e palavras que tornam o mundo grande. E há um homem, Hanta. Que há 30 anos empurra afectuosamente os livros, os mais belos e mais banais, para a prensa que os tritura e transforma em cubos de papel. Mas Hanta é um “carniceiro terno”. Sabe salvaguardar as palavras guardando-as na memória, para que elas brilhem que nem sóis, e para que esses sóis o ajudem a ver como pode ser a vida de um homem. Por entre a poeira, o suor e o cheiro a cerveja que não pára de beber, Hanta fala-nos.

Evelyne Pieiller

Fotografia © Jorge Gonçalves



Livrinhos de Teatro

Número 133 - Nevoeiro, Sul, Dinamarca de Lluïsa Cunillé

Número 134 - Victor ou As Crianças ao Poder de Roger Vitrac

Número 135 - Swimming Pool Party / Banda Sonora de Ricardo Neves-Neves 


Disponíveis em breve na nossa Livraria On-Line.

segunda-feira, 18 de maio de 2020

Já sabemos quando recomeçamos. E será nas Caldas da Rainha com SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA de Bohumil Hrabal; a 9, 10 e 11 de Julho! E esta semana temos mais UMA PEÇA DE CADA VEZ. Lembramos espectáculos que fizemos e agora é a vez de EMILIA de Claudio Tolcachir. Na 5ª 21 de Maio no Facebook e YouTube. E já visitou a nossa livraria online? Deve estar para sair a remessa de novos livros de Maio. Se comprar até 5ª 28 , enviamos na 6ª 29.


UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA a partir do romance de Bohumil Hrabal de e Com António Simão Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos M12

Nas Caldas da Rainha, no Teatro da Rainha de 9, 10 e 11 de Julho de 2020

“O céu não é humano e o homem que pensa nem sequer pode ser humano.”
Bohumil Hrabal

Criado em 1997, com estreia no CCB, os Artistas Unidos retomam agora, 23 anos depois, um espectáculo criado por António Simão a partir da novela de Bohumil Hrabal, autor maior. Não é uma reposição, é uma revisão da matéria dada.

Em Praga, há uma cave. Brilhante como uma gruta de tesouros. Sombria e suja como um esgoto. Nessa cave há milhares de livros, centenas de ratos, visões passageiras e palavras que tornam o mundo grande. E há um homem, Hanta. Que há 30 anos empurra afectuosamente os livros, os mais belos e mais banais, para a prensa que os tritura e transforma em cubos de papel. Mas Hanta é um “carniceiro terno”. Sabe salvaguardar as palavras guardando-as na memória, para que elas brilhem que nem sóis, e para que esses sóis o ajudem a ver como pode ser a vida de um homem. Por entre a poeira, o suor e o cheiro a cerveja que não pára de beber, Hanta fala-nos.
Evelyne Pieiller

Fotografia © Jorge Gonçalves



UMA PEÇA DE CADA VEZ

Lembramos espectáculos que fizemos. Sim, o teatro fica na memória e é segredo entre nós. Mas digam aos outros que existimos. Uma peça de cada vez.

Disponível a 21 de Maio no Facebook e YouTube dos Artistas Unidos

Fotografia © Jorge Gonçalves



Livrinhos de Teatro

Número 133 - Nevoeiro, Sul, Dinamarca 
de
 Lluïsa Cunillé

Número 134 - Victor ou As Crianças ao Poder de Roger Vitrac

Número 135 - Swimming Pool Party / Banda Sonora de 
Ricardo Neves-Neves


Disponíveis em breve na nossa Livraria On-Line.

segunda-feira, 11 de maio de 2020

Estão para sair os 3 livrinhos de Maio. NEVOEIRO, DINAMARCA, SUL de Lluïsa Cunillé, VICTOR OU AS CRIANÇAS AO PODER de Roger Vitrac e o SWIMMING POOL PARTY / BANDA SONORA de Ricardo Neves-Neves. Notícias mal cheguem da tipografia. Atenção aos correios. Se forem comprando até 4ª 13 de Maio, inclusive, nós enviamos a 14. E na 5ª 14 de Maio, no Facebook e YouTube recordamos UMA PEÇA DE CADA VEZ. Esta semana será O RIO de Jez Butterworth!



Livrinhos de Teatro

Número 133 - Nevoeiro, Sul, Dinamarca 
de Lluïsa Cunillé

Número 134 - Victor ou As Crianças ao Poder de Roger Vitrac

Número 135 - Swimming Pool Party / Banda Sonora de Ricardo Neves-Neves

Disponíveis em breve na nossa 
Livraria On-Line.





UMA PEÇA DE CADA VEZ
O RIO de Jez Butterworth

Lembramos espectáculos que fizemos. Sim, o teatro fica na memória e é segredo entre nós. Mas digam aos outros que existimos. Uma peça de cada vez.

Disponível a 14 de Maio no Facebook YouTube dos Artistas Unidos

Fotografia © Jorge Gonçalves

segunda-feira, 4 de maio de 2020

É amanhã, 5 de Maio que, na rubrica Teatro Sem Fios da Antena 2, pode ouvir A REVIRAVOLTA de Almeida Faria. Às 19h00. E nesta 5ª feira, 7 de Maio, lembramos UMA PEÇA DE CADA VEZ – DOCE PÁSSARO DA JUVENTUDE de Tennessee Williams no Facebook e Youtube. Por estes dias publicamos o Livrinho de Teatro 133, Nevoeiro, Dinamarca, Sul de Lluïsa Cunillé, disponível em breve na nossa livraria on-line. E pode ainda comprar livros na nossa livraria on-line. Se encomendar até 4ª 13, nós enviamos na 5ª 14.


A REVIRAVOLTA de Almeida Faria 

Na Antena 2, no Teatro Sem Fios, a 5 de Maio às 19h00

São as mesmas personagens que descobrimos em 1964 no seu romance PAIXÃO. E que o têm acompanhado desde então naquilo a que chamou a TETRALOGIA LUSITANA. A senhora, viúva, Marina, a criada, Piedade, o caseiro, Moisés, o filho mais velho de Marina. Numa grande herdade do Alentejo. Mas agora estamos em 1974, os ventos mudaram, as vozes da revolta passaram de surdina a primeiro plano. “Eu próprio – diz Almeida Faria, o autor – fechei-as durante anos à chave no sótão do passado e, julgando que as esquecera, andei por outras paragens. Mas a minha ilusão de esquecê-las era ingénua: porque, na sua persistência, elas é que não se esqueceram de mim, nunca pararam de suspirar, de murmurar, de sussurrar-me os seus anseios e pavores.” Um teatro de vozes, um teatro de sombras nas convulsões da História. Alentejo, 1974.





UMA PEÇA DE CADA VEZ

Lembramos espectáculos que fizemos. Sim, o teatro fica na memória e é segredo entre nós. Mas digam aos outros que existimos. Uma peça de cada vez.

Disponível a 7 de Maio no Facebook YouTube dos Artistas Unidos

Fotografia © Jorge Gonçalves



Livrinhos de Teatro

Número 133 - Nevoeiro, Sul, Dinamarca 
de 
Lluïsa Cunillé

Disponível em breve na nossa Livraria On-Line.