segunda-feira, 16 de novembro de 2020

Na 4ª 18, no Teatro da Politécnica, estreamos A CORAGEM DA MINHA MÃE de George Tabori. E na 5ª feira 19, a Antena 2 emite NOS MARES DO FIM DO MUNDO de Bernardo Santareno, no seu centenário. E neste sábado temos um novo ciclo de EM VOZ ALTA, dedicado a Manuel Resende, nas redes sociais da Fundação D. Luís I. E não se esqueça dos Livrinhos de Teatro: as assinaturas estão abertas para 2021!

 


A CORAGEM DA MINHA MÃE de George Tabori Tradução António Conde Com Pedro Carraca, Antónia Terrinha, Hélder Braz e vozes de Carla Bolito, Américo Silva, António Simão, João Meireles, Jorge Silva Melo, Nuno Gonçalo Rodrigues, Pedro Caeiro Tiago Matias Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Som André Pires Encenação Jorge Silva Melo M12

No Teatro da Politécnica de 18 de Novembro a 19 de Dezembro
3ª e 6ª às 19h00 | Sáb às 16h00 e 19h00

Oficial Alemão Eu, pessoalmente, sou vegetariano. É extraordinário, mas só de imaginar comer carne morta, repugna-me.

George Tabori, A Coragem da Minha Mãe

A improvável salvação da mãe de Tabori, por ele contada, aquando da deportação de 4.000 judeus de Budapeste para Auschwitz em Julho de 1944.

Fotografia © Jorge Gonçalves



NOS MARES DO FIM DO MUNDO de Bernardo Santareno

NOS MARES DO FIM DO MUNDO
 de Bernardo Santareno

Com Nuno Gonçalo Rodrigues, Manuel Wiborg, João Meireles, Américo Silva, António Simão, Pedro Carraca, Pedro Caeiro, Antónia Terrinha Direção Jorge Silva Melo 

Na Antena 2, a 19 de Novembro às 19h00 – Enquadrado no Centenário de Bernardo Santareno

Em 1957 e em 1958, Bernardo Santareno embarcou como médico de bordo na frota bacalhoeira portuguesa que se dirigia todos os anos para a Terra Nova e Gronelândia. Em blocos de notas, traçou pequenos quadros com históiras, retratos, descrições, paisagens, tragédias.  Um dos documentos mais admiráveis de uma realidade que foi nosssa ao mesmo tempo que uma obra literária assombrosa. Estes quadros estão na origem de O Lugre, a peça que, no Teatro Nacional foi montada por Amélia Rey Colaço. Aqui Jorge Silva Melo assina uma adaptação para a rádio.

Apoio Sociedade Portuguesa de Autores



EM VOZ ALTA os nossos poetas
leituras de poesia portuguesa pelos Artistas Unidos


Eu gosto de ler em voz alta, eu gosto de ouvir poesia lida pelos actores com quem trabalho, eu gosto de poesia lida para várias pessoas, eu gosto de leituras de poesia, ver gente, sentir gente à volta das palavras suspensas do poeta.


Os Artistas Unidos retomam as leituras EM VOZ ALTA, os Nossos Poetas em parceria com a Fundação D. Luís I e a Câmara Municipal de Cascais. Os actores
 Catarina Wallenstein, João Meireles, Lia Gama, Luís Lucas, Manuel Wiborg, Maria João Luís, Nuno Gonçalo Rodrigues e Jorge Silva Melo lêem poetas portugueses Em Voz Alta.

Com um novo formato, os recitais serão disponibilizados através das páginas de Facebook do Bairro dos Museus e da Fundação D. Luís e do canal de Youtube da Fundação D. Luís I, com o seguinte calendário:

21 de Novembro a 18 de Dezembro – Manuel Resende 

19 de Dezembro a 15 de Janeiro – António Franco-Alexandre 
16 de Janeiro a 12 de Fevereiro – Fernando Assis Pacheco 

Serão pequenos spots de poucos minutos com poemas do respetivo Autor e também de poetas que lhe estão próximos. Pois um poeta existe com aquilo que leu e aquilo que se lhe seguiu. Será assim que, em torno destes poetas, ouviremos os Artistas Unidos ler Camões, Camilo Pessanha, Nemésio, Mário Dionísio, Afonso Duarte, O´Neill, Mario Cesariny, Nuno Júdice, Garrett, Antero, Herberto, Manuel António Pina, Gastão Cruz...



Assinaturas Livrinhos de Teatro 2021

Vamos publicar mais  10 volumes em 2021. Não quer assinar? Temos no entanto de subir ligeiramente o preço da assinatura, para suportar portes. A partir de agora serão 55 euros pelos 10 envios (quatro remessas durante o ano). Mas, se preferir levantar os seus livros no Teatro da Politécnica, oferecemos-lhe 1 bilhete para qualquer espectáculo dos Artistas Unidos no Teatro da Politécnica  desse ano.


Para mais informações:
 asimao@artistasunidos.pt

A sair em 2021

Witold Gombrowicz - Opereta / HistóriaFederico García Lorca - Dona Rosinha, a Solteira - Don Cristobal / Yerma, Marieluise Fleisser – IngosltadtRicardo Correia - Eu uso termotebe e o meu pai também e outras peças (co-edição Casa da Esquina), Brendan Behan – O Condenado à Morte / O Rebelde e  ainda peças de Eugene O’Neill  e Roland Dubillard.

Sem comentários:

Publicar um comentário