segunda-feira, 20 de junho de 2016

E até sábado, 25, acolhemos os SillySeason com o seu PRADO DE FUNDO.



PRADO DE FUNDO dos SillySeason Criação e interpretação Ana Sampaio e Maia, Cátia Tomé, Ivo Silva, Ricardo Teixeira e Rita Morais Criação e vídeo João Cristóvão Leitão Luz Sara Garrinhas Comunicação Tiago Mansilha Produção SillySeason Apoio Artistas Unidos, CCVF, O Espaço do Tempo, Rua das Gaivotas6 e Teatro Praga Projeto financiado Direcção-Geral das Artes e Fundação GDA M16

No Teatro da Politécnica de 15 a 25 de Junho

3ª e 4ª às 19h00 | 5ª a Sáb. às 21h00
RESERVAS | 961960281 | 213916750 (dias úteis das 10h00 às 18h00)

Comprei uma moldura. E só depois tirei a fotografia.
É uma questão de confiança. Pode confiar-se numa moldura, já numa fotografia…

Prado de Fundo
 
Partindo do universo d’O Cerejal, de Anton Tchekov, procuramos explorar a fotografia e o seu poder representativo apaziguador que prova desesperadamente a veracidade dos eventos vividos. Mesmo aqueles que não aconteceram.
Prado de Fundo pretende questionar a infalibilidade da memória e da documentação no acto teatral. É a revelação dos cantos da fotografia que ficam escondidos pela moldura. Será algo menos real porque não o vemos?

Fotografia © Alípio Padilha

terça-feira, 14 de junho de 2016

E esta semana estão connosco os SillySeason com o seu PRADO DE FUNDO. Estreia 4ª 15 de Junho. E o Francis Seleck continua a ensaiar A INQUIETUDE de Valère Novarina, estreia na 4ª 20 de Julho.




PRADO DE FUNDO dos SillySeason Criação e interpretação Ana Sampaio e Maia, Cátia Tomé, Ivo Silva, Ricardo Teixeira e Rita Morais Criação e vídeo João Cristóvão Leitão Luz Sara Garrinhas Comunicação Tiago Mansilha Produção SillySeason Apoio Artistas Unidos, CCVF, O Espaço do Tempo, Rua das Gaivotas6 e Teatro Praga Projeto financiado Direcção-Geral das Artes e Fundação GDAM16

No Teatro da Politécnica de 15 a 25 de Junho
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª a Sáb. às 21h00Reservas | 961960281 | 213916750 (dias úteis das 10h00 às 18h00)


Comprei uma moldura. E só depois tirei a fotografia.
É uma questão de confiança. Pode confiar-se numa moldura, já numa fotografia…

Prado de Fundo
 
Partindo do universo d’O Cerejal, de Anton Tchekov, procuramos explorar a fotografia e o seu poder representativo apaziguador que prova desesperadamente a veracidade dos eventos vividos. Mesmo aqueles que não aconteceram.
Prado de Fundo pretende questionar a infalibilidade da memória e da documentação no acto teatral. É a revelação dos cantos da fotografia que ficam escondidos pela moldura. Será algo menos real porque não o vemos?

Fotografia © Alípio Padilha




A INQUIETUDE de Valère Novarina Tradução e Encenação Francis Seleck Com Eduardo Breda Cenário Catarina Pé Curto Produção Cena Múltipla - Associação O Mundo do Espectáculo/Artistas Unidos Apoio Câmara Municipal de Almada M14

No Teatro da Politécnica de 20 a 30 de Julho 
3ª, 4ª e Sáb. às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00
Reservas: 961960281 | 213916750 (dias úteis das 10h00 às 18h00)

Então sentei-me e disse às pedras: A acção é maldita.

Valére Novarina, A Inquietude

Nesta peça autobiográfica, relato de uma vida frenética e estagnante, Novarina contesta logo à partida a possibilidade do drama. A necessidade de agir acaba em desastre. O homem “animal dotado de linguagem” fala às pedras, aos animais, a Deus (o público?). Falar é um drama e o drama está na linguagem. O enfurecimento do verbo toma o lugar da acção dramática, a palavra é ela própria uma acção e verdadeira matéria do homem. Do vazio inicial ao “nada” final, num tempo desfigurado, assistimos a um confronto entre a escrita e o palco, que o actor, “aventureiro interior, desequilibrista, acrobata e trespassador perfeito”, num discurso descontínuo leva aos ouvidores de teatro.
As palavras criadoras de Novarina transformam o real e com elas experimentamos desconhecidas e novas regiões de sentido, novas imagens, a alegria de estar no mundo.

Fotografia © Jorge Gonçalves


segunda-feira, 6 de junho de 2016

E estamos quase a receber os SillySeason com o seu PRADO DE FUNDO. Estreia na 4ª 15 de Junho. E o Francis Seleck já ensaia A INQUIETUDE de Valère Novarina.


PRADO DE FUNDO dos SillySeason Criação e interpretação Ana Sampaio e Maia, Cátia Tomé, Ivo Silva, Ricardo Teixeira e Rita Morais Criação e vídeo João Cristóvão Leitão Luz Sara Garrinhas Comunicação Tiago Mansilha Produção SillySeason Apoio Artistas Unidos, CCVF, O Espaço do Tempo, Rua das Gaivotas6 e Teatro Praga Projecto financiado por Direcção-Geral das Artes e Fundação GDA

No Teatro da Politécnica de 15 a 25 de Junho
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª a Sáb. às 21h00

Comprei uma moldura. E só depois tirei a fotografia.

É uma questão de confiança. Pode confiar-se numa moldura, já numa fotografia…

Prado de Fundo
 
Partindo do universo d’O Cerejal, de Anton Tchekov, procuramos explorar a fotografia e o seu poder representativo apaziguador que prova desesperadamente a veracidade dos eventos vividos. Mesmo aqueles que não aconteceram.
Prado de Fundo pretende questionar a infalibilidade da memória e da documentação no acto teatral. É a revelação dos cantos da fotografia que ficam escondidos pela moldura. Será algo menos real porque não o vemos?

Fotografia © Rui Palma


A INQUIETUDE de Valère Novarina Tradução e Encenação Francis Seleck Com Eduardo Breda Cenário Catarina Pé Curto Produção Cena Múltipla - Associação O Mundo do Espectáculo/Artistas Unidos Apoio Câmara Municipal de Almada M14

No Teatro da Politécnica de 20 a 30 de Julho 
3ª, 4ª e Sáb. às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00
Reservas: 961960281 | 213916750 (dias úteis das 10h00 às 18h00)

Então sentei-me e disse às pedras: A acção é maldita.
Valére Novarina, A Inquietude

Nesta peça autobiográfica, relato de uma vida frenética e estagnante, Novarina contesta logo à partida a possibilidade do drama. A necessidade de agir acaba em desastre. O homem “animal dotado de linguagem” fala às pedras, aos animais, a Deus (o público?). Falar é um drama e o drama está na linguagem. O enfurecimento do verbo toma o lugar da acção dramática, a palavra é ela própria uma acção e verdadeira matéria do homem. Do vazio inicial ao “nada” final, num tempo desfigurado, assistimos a um confronto entre a escrita e o palco, que o actor, “aventureiro interior, desequilibrista, acrobata e trespassador perfeito”, num discurso descontínuo leva aos ouvidores de teatro.
As palavras criadoras de Novarina transformam o real e com elas experimentamos desconhecidas e novas regiões de sentido, novas imagens, a alegria de estar no mundo.

Fotografia © Jorge Gonçalves



segunda-feira, 30 de maio de 2016

Última semana de JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams e da exposição GOTA A GOTA de Jorge Martins. Só até sábado 4 de Junho no Teatro da Politécnica. Em breve recebemos os SillySeason com o seu PRADO DE FUNDO. Estreia na 4ª 15 de Junho.



JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams Tradução José Miguel Silva Com Isabel Muñoz Cardoso, João Pedro Mamede, José Mata Vânia Rodrigues Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Coordenação Técnica João Chicó Produção João Meireles Assistência de Encenação António Simão Encenação Jorge Silva Melo M14

No Teatro da Politécnica de 27 de Abril a 4 de Junho
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00
Reservas | 961960281 | 213916750 (dias úteis das 10h às 18h)

TOM Hoje em dia o mundo é atravessado por relâmpagos que o iluminam! Apaga as velas, Laura - e adeus...

Tennessee Williams, Jardim Zoológico de Vidro

Derrotados, sim, abandonados, sem hipótese, deixados para trás, com a electricidade cortada e contas por pagar, vencidos: mas estes são os invencíveis, esses sonhadores que Tennessee Williams cantou.

Jorge Silva Melo

Fotografias © Jorge Gonçalves


GOTA A GOTA de Jorge Martins

Fotografias 2014-2015


No Teatro da Politécnica de 27 de Abril a 4 de Junho3ª a 6ª das 17h00 | Sáb. das 15h00 até final do espectáculo



PRADO DE FUNDO dos SillySeason Criação e interpretação Ana Sampaio e Maia, Cátia Tomé, Ivo Silva, Ricardo Teixeira e Rita Morais Criação e vídeo João Cristóvão Leitão Luz Sara Garrinhas Comunicação Tiago Mansilha Produção SillySeason Apoio Artistas Unidos, CCVF, O Espaço do Tempo, Rua das Gaivotas6 e Teatro Praga Projeto financiado por Direção-Geral das Artes e Fundação GDA

No Teatro da Politécnica de 15 a 25 de Junho
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª a Sáb. às 21h00

Comprei uma moldura. E só depois tirei a fotografia.
É uma questão de confiança. Pode confiar-se numa moldura, já numa fotografia…
Prado de Fundo
 
Partindo do universo d’O Cerejal, de Anton Tchekov, procuramos explorar a fotografia e o seu poder representativo apaziguador que prova desesperadamente a veracidade dos eventos vividos. Mesmo aqueles que não aconteceram. Prado de Fundo pretende questionar a infalibilidade da memória e da documentação no acto teatral. É a revelação dos cantos da fotografia que ficam escondidos pela moldura. Será algo menos real porque não o vemos?
Fotografia © Alípio Padilha


terça-feira, 24 de maio de 2016

Últimas semanas de JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams. Só até 4 de Junho no Teatro da Politécnica. Continua também a exposição de Jorge Martins: GOTA A GOTA. Hoje no São Luiz Teatro Municipal, encerramos o ciclo A PALAVRA AOS ARTISTAS com a projecção adiada de JOAQUIM BRAVO, ÉVORA, 1935, ETC. ETC. FELICIDADES de Jorge Silva Melo, pelas 18h30 , connosco estará José Miranda Justo.



JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams Tradução José Miguel Silva Com Isabel Muñoz CardosoJoão Pedro MamedeJosé Mata e Vânia Rodrigues Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Coordenação Técnica João Chicó Produção João Meireles Assistência de Encenação António Simão Encenação Jorge Silva Melo M14
No Teatro da Politécnica de 27 de Abril a 4 de Junho
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00
Reservas | 961960281 | 213916750 (dias úteis das 10h às 18h)
TOM Hoje em dia o mundo é atravessado por relâmpagos que o iluminam! Apaga as velas, Laura - e adeus...

Tennessee Williams
, Jardim Zoológico de Vidro

Derrotados, sim, abandonados, sem hipótese, deixados para trás, com a electricidade cortada e contas por pagar, vencidos: mas estes são os invencíveis, esses sonhadores que Tennessee Williams cantou.

Jorge Silva Melo

Fotografias © Jorge Gonçalves


GOTA A GOTA de Jorge Martins

Fotografias 2014-2015


No Teatro da Politécnica de 27 de Abril a 4 de Junho3ª a 6ª das 17h00 | Sáb. das 15h00 até final do espectáculo



Por ocasião da exposição Narrativa de uma Colecção – Arte Portuguesa na Colecção da Secretaria de Estado da Cultura (1960-1990), (actualmente no novo espaço do MNAC-MC na Rua Capelo), o São Luiz Teatro Municipal e o Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado promovem uma mostra dos filmes realizados pelos Artistas Unidos sobre artistas cujas obras integram a colecção.
Terminamos o ciclo A PALAVRA AOS ARTISTAS com a projecção adiada de Joaquim Bravo, Évora, 1935, Etc Etc Felicidades de Jorge Silva Melo, hoje, 23 de Maio, pelas 18h30, no São Luiz Teatro Municipal.

Joaquim Bravo, Évora, 1935, Etc Etc Felicidades Realização Jorge Silva Melo Produção Manuel João Aguas Imagem Rui Poças e Miguel Ceitil Som Pedro Caldas e António Pedro Figueiredo Montagem Vítor Alves

O facto de ter realizado em 1995 um documentário intitulado PALOLO, VER O PENSAMENTO A CORRER fez nascer a pouco e pouco o desejo de um outro documentário, de carácter mais historiográfico, sobre o grupo de artistas que, desde os finais dos anos 50, começaram a impor caminhos de grande originalidade (e heterodoxia) a partir de Évora. Falo de Joaquim Bravo, Álvaro Lapa e Palolo.

Jorge Silva Melo

Joaquim Bravo (Évora, 1935 - Lisboa, 1990) expôs pela primeira vez em 1964, inaugurando a que viria a ser uma das mais decisivas galerias portuguesas, a 111 no Campo Grande. A sua influência doutrinária e a sua enorme capacidade de entusiasmo iriam marcar no início dos anos sessenta o grupo de pintores de Évora (Lapa, Palolo) e, nos anos 80, artistas como Xana e Cabrita Reis. Na sua morte, uma comovente homenagem foi-lhe prestada por um grupo enorme e variado de artistas que ia de João Vieira a Miranda Justo. A sua obra encontra-se dispersa num grande número de colecções particulares e institucionais.

Participaram no filme António Palolo, Álvaro Lapa, Cabrita Reis, Xana, Luís Campos, Vera Gonçalves, Maria de Lurdes Bravo, Miranda Justo.


segunda-feira, 16 de maio de 2016

Continuamos com JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams, no Teatro da Politécnica. E com a exposição GOTA A GOTA de Jorge Martins. E na 2ª 23 de Maio A PALAVRA AOS ARTISTAS retoma com a sessão adiada de JOAQUIM BRAVO, ÉVORA, 1935, ETC. ETC. FELICIDADES de Jorge Silva Melo, pelas 18h30 no S. Luiz Teatro Municipal.


JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams Tradução José Miguel Silva Com Isabel Muñoz Cardoso, João Pedro Mamede, José Mata Vânia Rodrigues Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Coordenação Técnica João Chicó Produção João Meireles Assistência de Encenação António Simão Encenação Jorge Silva Melo M14
No Teatro da Politécnica de 27 de Abril a 4 de Junho
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00
Reservas | 961960281 | 213916750 (dias úteis das 10h às 18h)

TOM Hoje em dia o mundo é atravessado por relâmpagos que o iluminam! Apaga as velas, Laura - e adeus...

Tennessee Williams
, Jardim Zoológico de Vidro

Derrotados, sim, abandonados, sem hipótese, deixados para trás, com a electricidade cortada e contas por pagar, vencidos: mas estes são os invencíveis, esses sonhadores que Tennessee Williams cantou.

Jorge Silva Melo

Fotografias © Jorge Gonçalves


GOTA A GOTA de Jorge Martins

Fotografias 2014-2015

No Teatro da Politécnica de 27 de Abril a 4 de Junho
3ª a 6ª das 17h00 | Sáb. das 15h00 até final do espectáculo


Por ocasião da exposição Narrativa de uma Colecção – Arte Portuguesa na Colecção da Secretaria de Estado da Cultura (1960-1990), (actualmente no novo espaço do MNAC-MC na Rua Capelo), o São Luiz Teatro Municipal e o Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado promovem uma mostra dos filmes realizados pelos Artistas Unidos sobre artistas cujas obras integram a colecção.
Continuamos o ciclo A PALAVRA AOS ARTISTAS com a projecção de Joaquim Bravo, Évora, 1935, Etc Etc Felicidades de Jorge Silva Melo, no dia 23 de Maio, pelas 18h30, no São Luiz Teatro Municipal.

Joaquim Bravo, Évora, 1935, Etc Etc Felicidades Realização Jorge Silva Melo Produção Manuel João Aguas Imagem Rui Poças e Miguel Ceitil Som Pedro Caldas e António Pedro Figueiredo Montagem Vítor Alves

O facto de ter realizado em 1995 um documentário intitulado PALOLO, VER O PENSAMENTO A CORRER fez nascer a pouco e pouco o desejo de um outro documentário, de carácter mais historiográfico, sobre o grupo de artistas que, desde os finais dos anos 50, começaram a impor caminhos de grande originalidade (e heterodoxia) a partir de Évora. Falo de Joaquim Bravo, Álvaro Lapa e Palolo.

Jorge Silva Melo

Joaquim Bravo (Évora, 1935 - Lisboa, 1990) expôs pela primeira vez em 1964, inaugurando a que viria a ser uma das mais decisivas galerias portuguesas, a 111 no Campo Grande. A sua influência doutrinária e a sua enorme capacidade de entusiasmo iriam marcar no início dos anos sessenta o grupo de pintores de Évora (Lapa, Palolo) e, nos anos 80, artistas como Xana e Cabrita Reis. Na sua morte, uma comovente homenagem foi-lhe prestada por um grupo enorme e variado de artistas que ia de João Vieira a Miranda Justo. A sua obra encontra-se dispersa num grande número de colecções particulares e institucionais.
Participaram no filme António Palolo, Álvaro Lapa, Cabrita Reis, Xana, Luís Campos, Vera Gonçalves, Maria de Lurdes Bravo, Miranda Justo.


segunda-feira, 9 de maio de 2016

JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams em cena no Teatro da Politécnica e uma exposição de Jorge Martins, GOTA A GOTA.


JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams Tradução José Miguel Silva Com Isabel Muñoz Cardoso, João Pedro MamedeJosé Mata e Vânia Rodrigues Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Coordenação Técnica João Chicó Produção João Meireles Assistência de Encenação António Simão Encenação Jorge Silva Melo M14

No Teatro da Politécnica de 27 de Abril a 4 de Junho
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00
Reservas | 961960281 | 213916750 (dias úteis das 10h às 18h)

TOM Hoje em dia o mundo é atravessado por relâmpagos que o iluminam! Apaga as velas, Laura - e adeus...

Tennessee Williams
, Jardim Zoológico de Vidro

Derrotados, sim, abandonados, sem hipótese, deixados para trás, com a electricidade cortada e contas por pagar, vencidos: mas estes são os invencíveis, esses sonhadores que Tennessee Williams cantou.


Jorge Silva Melo

Fotografias © Jorge Gonçalves



GOTA A GOTA de Jorge Martins

Fotografias 2014-2015

No Teatro da Politécnica de 27 de Abril a 4 de Junho
3ª a 6ª das 17h00 | Sáb. das 15h00 até final do espectáculo