segunda-feira, 27 de julho de 2015

Férias, escritório fechado. Mas nas mochilas, lá está o texto de JOGADORES de Pau Miró com que daqui a um mês (23 de Setembro) abrimos a temporada 2015-2016.





Tradução Joana Frazão Com Américo Silva, António Simão, João Meireles e Pedro Carraca Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Coordenação Técnica João Chicó Assistente João Pedro Mamede Encenação  Jorge Silva Melo M12

No Teatro da Politécnica de 23 de Setembro a 24 de Outubro
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00
Reservas | 961960281
Em Coimbra, no Teatrão, de 28 a 30 de Outubro às 21h30
Reservas 
912511302
 
PROFESSOR É fácil prever o futuro. Basta olhar para o céu. Ou para o espelho. Se te vires ao espelho, podes saber o futuro.

Pau Miró, Jogadores

É como se estas personagens se tivessem esquecido do texto e estivessem à espera que voltasse. Perderam o pulsar do mundo, e só têm uma maneira de o recuperar, talvez demasiado arriscada, seguramente demasiado perigosa. E louca. E também desesperada. Ao fim e ao cabo, no entanto, a única maneira.
Pau Miró

Personagens sem esperança, à deriva, sem trabalho, perdidos num mundo que já não é o seu, aparentemente "normais" mas com um fundo de mistério e turbulência que vão mostrando pouco a pouco. Jogadores trata dos páramos da meia-idade e do vício do risco, do colocar-se em perigo: a vertigem como forma de escape de uma realidade opaca.
Marcos Ordóñez

 
 Fotografia © Jorge Gonçalves

segunda-feira, 20 de julho de 2015

E vamos entrar em férias. Regressamos na Festa de Teatro de Setúbal com OS ACONTECIMENTOS (30 de Agosto no Luísa Todi) e FRÁGIL de David Greig (3 de Setembro na Escola Secundária Sebastião da Gama). E o Teatro da Politécnica reabre com MOBY-DICK do teatromosca a 3 de Setembro.



Tradução Pedro Marques Com Andreia Bento, João Pedro Mamede, Maria Jorge e no coro: Alexandra Pato, Carolina Dominguez, David Cipriano, Diana Narciso, Francisco Sousa, Gonçalo Ventura, Marco Mendonça, Maria Manuel Pinheiro, Mia Tomé, Nuno Filipe Fonseca, Rita Liberal, Tomás Varela e ainda do coro da Universidade de Lisboa Mariana Camacho e Nuno Baptista Música John Browne Luz Pedro Domingos Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Apoio ao movimento Afonso Costa Direcção Musical Rui Rebelo Assistência de encenação Maria Jorge Produção Executiva Andreia Bento e Pedro Carraca Encenação António Simão Uma produção Artistas Unidos Apoio Creative Scotland M14
Em Setúbal, no Fórum Municipal Luísa Todi, a 30 de Agosto às 22h00

Reservas | 265 522 127

O RAPAZ A fé não é fácil, bem sabes.
Os acontecimentos põem-nos à prova.
CLAIRE Posso dizer-te uma coisa em segredo?
A 22 de Julho de 2011, Anders Breivik matou 68 pessoas, a maioria adolescentes. David Greig escreveuOs Acontecimentos inspirado nestes acontecimentos. Até onde pode chegar o perdão?

Fotografias ©Jorge Gonçalves


FRÁGIL de David Greig

Tradução Pedro Marques Com Pedro Carraca Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Encenação Jorge Silva Melo M14

Em Setúbal, no Auditório da Escola Secundária Sebastião da Gama, a 3 de Setembro às 22h00
 
Reservas | 265 233 299 / 967 330 188

Adoro ir ao centro. – Se alguma coisa me aborrece no sábado, no domingo ou na segunda – penso – não te preocupes – na terça vais ao centro.
David Greig, Frágil

Frágil alista os espectadores numa comunidade de participantes, colocando-os cara a cara e responsabilizando-os por uma inflexível exigência ética perante o Outro. Através de Jack, a precariedade é colocada em primeiro plano. Através do seu comprometimento coral e colectivo no espectáculo, os espectadores podem vir a assumir a necessidade de responder ao “outro vulnerável”, e tomar responsabilidade pelas suas acções e compromissos políticos, como um passo para o alcance da mudança social.

Fotografias ©Jorge Gonçalves


MOBY-DICK a partir de Herman Melville

Adaptação Tiago Patrício Com Pedro Mendes e Ruben Jacinto Cenografia Pedro Silva Direcção Técnica Carlos Arroja Assistência de Direcção Mário Trigo Direcção Artística Pedro Alves Uma Produção teatromosca M12

No Teatro da Politécnica de 3 a 5 de Setembro
Às 21h00
Reservas | 961960281

As pequenas construções podem ser concluídas pelos arquitectos que as conceberam: mas as grandes, as verdadeiras, só podem ser terminadas pela posteridade. Deus me livre de completar seja o que for. Este livro, todo ele, não passa de um esboço. Nem isso! Não passa do esboço de um esboço. Tudo quanto faço é apresentá-lo; os outros que o leiam, se puderem.
Herman Melville, Moby-Dick

Narrativa de aventuras para alguns, epopeia metafísica para outros, Moby-Dick de Herman Melville pode ser resumida como a história de uma viagem de caça à baleia, um estudo sobre a obsessão e a vingança e como estes traços dominantes se tornam a ruína do homem. Uma obra canónica da literatura norte-americana, que marcou o início de uma trilogia que o teatromosca dedica à literatura norte-americana e que se prolongará até ao final de 2015.

Fotografias ©Catarina Lobo

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Última semana da temporada no Teatro da Politécnica. Terminam na 6ª feira, 17 OS ACONTECIMENTOS (integrado no Festival de Almada) e FRÁGIL de David Greig. Atenção aos horários.


Tradução Pedro Marques Com Andreia Bento, João Pedro Mamede, Maria Jorge e no coro: Alexandra Pato, Carolina Dominguez, David Cipriano, Diana Narciso, Francisco Sousa, Gonçalo Ventura, Joana Reis, Lara Matos, Marco Mendonça, Maria Manuel Pinheiro, Mia Tomé, Miguel Galamba, Nuno Filipe Fonseca, Rafael Neto, Rita Liberal, Sofia Fialho, Tomás Varela e ainda do coro da Universidade de Lisboa Mariana Camacho, Margarida Soares e Nuno Baptista Música John Browne Luz Pedro Domingos Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Apoio ao movimento Afonso Costa Direcção Musical Rui Rebelo Assistência de encenação Maria Jorge Produção Executiva Andreia Bento e Pedro Carraca Encenação António Simão Uma produção Artistas Unidos Apoio Creative Scotland M14

No Teatro da Politécnica de 8 a 17 de Julho 
(Integrado no Festival de Almada)
Às 19h00: a 8, 9, 10, 15, 16 e 17 de Julho
Às 16h00: a 11 e 14 de Julho
Reservas | 961960281

O RAPAZ A fé não é fácil, bem sabes.
Os acontecimentos põem-nos à prova.
CLAIRE Posso dizer-te uma coisa em segredo?

A 22 de Julho de 2011, Anders Breivik matou 68 pessoas, a maioria adolescentes. David Greig escreveu Os Acontecimentos inspirado nestes acontecimentos. Até onde pode chegar o perdão?

Fotografias ©Jorge Gonçalves

FRÁGIL de David Greig

Tradução Pedro Marques Com Pedro Carraca Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Encenação Jorge Silva Melo M14

No Teatro da Politécnica de 9 a 17 de Julho

3ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00
Reservas | 961960281

Adoro ir ao centro. – Se alguma coisa me aborrece no sábado, no domingo ou na segunda – penso – não te preocupes – na terça vais ao centro.
David Greig, Frágil

Frágil alista os espectadores numa comunidade de participantes, colocando-os cara a cara e responsabilizando-os por uma inflexível exigência ética perante o Outro. Através de Jack, a precariedade é colocada em primeiro plano. Através do seu comprometimento coral e colectivo no espectáculo, os espectadores podem vir a assumir a necessidade de responder ao “outro vulnerável”, e tomar responsabilidade pelas suas acções e compromissos políticos, como um passo para o alcance da mudança social.

Fotografias ©Jorge Gonçalves

segunda-feira, 6 de julho de 2015

E a partir de 8 de Julho voltam ao Teatro da Politécnica OS ACONTECIMENTOS (integrado no Festival de Almada) e FRÁGIL de David Greig. Atenção aos horários. Até 17 de Julho.


Tradução Pedro Marques Com Andreia Bento, João Pedro Mamede, Maria Jorge e no coro: Alexandra Pato, Carolina Dominguez, David Cipriano, Diana Narciso, Francisco Sousa, Gonçalo Ventura, Joana Reis, Lara Matos, Marco Mendonça, Maria Manuel Pinheiro, Mia Tomé, Miguel Galamba, Nuno Filipe Fonseca, Rafael Neto, Rita Liberal, Sofia Fialho, Tomás Varela e ainda do coro da Universidade de Lisboa Mariana Camacho, Margarida Soares e Nuno Baptista Música John Browne Luz Pedro Domingos Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Apoio ao movimento Afonso Costa Direcção Musical Rui Rebelo Assistência de encenação Maria Jorge Produção Executiva Andreia Bento e Pedro Carraca Encenação António Simão Uma produção Artistas Unidos Apoio Creative Scotland M14

No Teatro da Politécnica de 8 a 17 de Julho 
(Integrado no Festival de Almada)
Às 19h00: a 8, 9, 10, 15, 16 e 17 de Julho
Às 16h00: a 11 e 14 de Julho
Reservas | 961960281

O RAPAZ A fé não é fácil, bem sabes.
Os acontecimentos põem-nos à prova.
CLAIRE Posso dizer-te uma coisa em segredo?

A 22 de Julho de 2011, Anders Breivik matou 68 pessoas, a maioria adolescentes. David Greig escreveu Os Acontecimentos inspirado nestes acontecimentos. Até onde pode chegar o perdão?

Fotografias ©Jorge Gonçalves

FRÁGIL de David Greig

Tradução Pedro Marques Com Pedro Carraca Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Encenação Jorge Silva Melo M14

No Teatro da Politécnica de 9 a 17 de Julho
 

3ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00
Reservas | 961960281

Adoro ir ao centro. – Se alguma coisa me aborrece no sábado, no domingo ou na segunda – penso – não te preocupes – na terça vais ao centro.
David Greig, Frágil

Frágil alista os espectadores numa comunidade de participantes, colocando-os cara a cara e responsabilizando-os por uma inflexível exigência ética perante o Outro. Através de Jack, a precariedade é colocada em primeiro plano. Através do seu comprometimento coral e colectivo no espectáculo, os espectadores podem vir a assumir a necessidade de responder ao “outro vulnerável”, e tomar responsabilidade pelas suas acções e compromissos políticos, como um passo para o alcance da mudança social.

Fotografias ©Jorge Gonçalves

segunda-feira, 29 de junho de 2015

E RAPE - ESTUDO DE UM INGÉNUO AMOR de Andre Neely continua no Teatro da Politécnica. Até sábado, 4 de Julho. E logo a partir de 9 de Julho uma breve carreira de OS ACONTECIMENTOS (integrado no Festival de Almada) e FRÁGIL de David Greig. Atenção aos horários.

RAPE - ESTUDO DE UM INGÉNUO AMOR de Andre Neely

Tradução e assistência Catarina Sena Com Rita Silvestre e Rui Westermann Cenografia e figurinos Colectivo Luz Sara Cipriano Comunicação Pedro Azevedo Design Gráfico Gone Monteiro Produção executiva Filipe Abreu Encenação Leonardo Garibaldi Uma produção Inquietarte - Associação Cultural M16
 

No Teatro da Politécnica de 25 de Junho a 4 de Julho
Às 19h00: a 25, 26, 27 e 30 de Junho e a 1 de Julho
Às 21h00 a: 2, 3 e 4 de Julho

Reservas | 961960281
Preço único | 6 euros

 

V: Nove e vinte cinco. Vinte e cinco minutos passaram e a mão dele está na minha boca para que o meu irmão não grite. Nove e vinte cinco e meio segundo é o que chega para me abraçar. Nove e vinte cinco e quarenta e seis segundos.
Andre Neely, Rape 

Dois irmãos presenciam um acontecimento inesperado. Uma família disfuncional. Um amor incontrolável. Uma espera obsessiva, comendo gelados. Uma estreia absoluta do texto, escrito em 2014, assim como do autor em Portugal.

Fotografia ©João Cachola


Tradução Pedro Marques Com Andreia Bento, João Pedro Mamede, Maria Jorge e no coro: Alexandra Pato, Carolina Dominguez, David Cipriano, Diana Narciso, Francisco Sousa, Gonçalo Ventura, Joana Reis, Lara Matos, Marco Mendonça, Maria Manuel Pinheiro, Mia Tomé, Miguel Galamba, Nuno Filipe Fonseca, Rafael Neto, Rita Liberal, Sofia Fialho, Tomás Varela e ainda do coro da Universidade de Lisboa Mariana Camacho, Margarida Soares e Nuno Baptista Música John Browne Luz Pedro Domingos Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Apoio ao movimento Afonso Costa Direcção Musical Rui Rebelo Assistência de encenação Maria Jorge Produção Executiva Andreia Bento e Pedro Carraca Encenação António Simão Uma produção Artistas Unidos Apoio Creative Scotland M14

No Teatro da Politécnica de 8 a 17 de Julho 
(Integrado no Festival de Almada)

Às 19h00: a 8, 9, 10, 15, 16 e 17 de Julho
Às 16h00: a 11 e 14 de Julho
Reservas | 961960281

O RAPAZ A fé não é fácil, bem sabes.
Os acontecimentos põem-nos à prova.
CLAIRE Posso dizer-te uma coisa em segredo?

A 22 de Julho de 2011, Anders Breivik matou 68 pessoas, a maioria adolescentes. David Greig escreveu Os Acontecimentos inspirado nestes acontecimentos. Até onde pode chegar o perdão?

Fotografias ©Jorge Gonçalves

FRÁGIL de David Greig

Tradução Pedro Marques Com Pedro Carraca Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Encenação Jorge Silva Melo M14

No Teatro da Politécnica de 9 a 17 de Julho

3ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00
Reservas | 961960281

Adoro ir ao centro. – Se alguma coisa me aborrece no sábado, no domingo ou na segunda – penso – não te preocupes – na terça vais ao centro.
David Greig, Frágil

Frágil alista os espectadores numa comunidade de participantes, colocando-os cara a cara e responsabilizando-os por uma inflexível exigência ética perante o Outro. Através de Jack, a precariedade é colocada em primeiro plano. Através do seu comprometimento coral e colectivo no espectáculo, os espectadores podem vir a assumir a necessidade de responder ao “outro vulnerável”, e tomar responsabilidade pelas suas acções e compromissos políticos, como um passo para o alcance da mudança social.

Fotografias ©Jorge Gonçalves