quarta-feira, 17 de maio de 2017

Últimas semanas de O CINEMA de Annie Baker e da exposição SÉRGIO POMBO no Teatro da Politécnica. Só até sábado 3 de Junho. E na próxima 5ª, 25 de Maio, estreamos NA MARGEM DE LÁ - UM LAMENTO de Jorge Silva Melo no TNDMII. E o JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams segue para a Póvoa de Varzim e para Castelo Branco.



O Cinema de Annie Baker Tradução Francisco Frazão Com António Simão, Bruno Huca, Rita Cabaço e Miguel Galamba/João Pedro Mamede Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Coordenação Técnica João Chicó Assistência de Encenação Diana Santos e Bernardo Alves Encenação Pedro Carraca Apoio Cinemas NOS M12


No Teatro da Politécnica de 3 de Maio a 3 de Junho
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00
SAM     Às vezes há pessoas que ficam sentadas até ao fim do genérico. Mas depois vão-se embora.Annie Baker, O Cinema



Num cinema esquecido de província, três empregados mal pagos varrem pipocas nos corredores vazios e cuidam de um dos últimos projectores de 35mm. Um tributo ao poder do cinema e um doloroso retrato de três pessoas no trabalho.
Nós, os espectadores, somos o ecrã onde é projectado o filme. A luz do projector irradia por sobre as nossas cabeças.


Fotografias © Jorge Gonçalves





SÉRGIO POMBO AGORA 


No Teatro da Politécnica de 18 de Abril a 3 de Junho

3ª a 6ª das 17h00 | Sáb. das 15h00 até ao final do espectáculo

A pintura de Sérgio Pombo – pintura, desenho, com figuras ou sem, a pintura que nele tudo é pintura, irredutivelmente pintura – é tão brilhantemente viva que ofusca, é tão desassombrada que nos assalta o equilíbrio, sofre, “o dia em que nasci morra e pereça”, dizia Job, amaldiçoa-nos – mas promete-nos o humano, o humano presente, o humano simplesmente, a vida de hoje, esta, sufocantemente bela na sua crueza rápida, na sua imensa solidão.
Com a rapidez das estrelas cadentes no céu de todas as noites, Sérgio Pombo, persegue a beleza, promete-nos que ela aí vem, está a chegar, voluptuosa.







NA MARGEM DE LÁ - UM LAMENTO de Jorge Silva Melo Com André Loubet, Andreia Bento, Catarina Wallenstein, Gonçalo Silva, Hugo Tourita, João Pedro Mamede, Luís Coelho, Nuno Gonçalo Rodrigues e Pedro Baptista Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Encenação Jorge Silva Melo M12

Na Sala Estúdio do Teatro Nacional D. Maria II de 25 a 28 de Maio
5ª a sáb. 21h30 | Dom. 16h30

São falas, falas de quem perdeu, daqueles que não vemos, daqueles cujos corpos chegam, de noite, às nossas praias, fronteiras, acampamentos, lampedusas, calais. Quantos mortos cobre aquele mar tranquilo que nos uniu a Àfrica e agora se ergue como muro da morte, Mediterrâneo? São falas. São rascunhos. São esboços de uma peça de teatro? Mas é possível trazer ao palco a vida, a dor, o amor, a esperança, a morte dos que não têm história? Conseguiríamos? Ou só conseguimos escrever um lamento? Tentamos. E conseguimos? Um lamento...

Fotografia © Jorge Gonçalves

 

JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams Tradução José Miguel Silva Com Isabel Munoz CardosoJoão Pedro MamedeGuilherme Gomes e Vânia Rodrigues Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Som André Pires Encenação Jorge Silva Melo M14


No Teatro Municipal de Almada, 19 de Maio às 21h30

Reservas | 212739360


Na Póvoa de Varzim, no Cine-Teatro Garrett, 3 de Junho às 22h00Reservas | 252 090 210

Em Castelo Branco, no Cine-Teatro Avenida, a 16 de Junho às 18h30Reservas | 272 349 560

TOM Hoje em dia o mundo é atravessado por relâmpagos que o iluminam! Apaga as velas, Laura - e adeus...


Tennessee Williams
, Jardim Zoológico de Vidro


Derrotados, sim, abandonados, sem hipótese, deixados para trás, com a electricidade cortada e contas por pagar, vencidos: mas estes são os invencíveis, esses sonhadores que Tennessee Williams cantou.

Jorge Silva Melo


Fotografia © Jorge Gonçalves

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Continua O CINEMA de Annie Baker e a exposição SÉRGIO POMBO AGORA. No Teatro da Politécnica até 3 de Junho. E na 6ª 19 JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams em Almada, no Teatro Municipal Joaquim Benite. E a partir de 5ª 25 NA MARGEM DE LÁ - UM LAMENTO de Jorge Silva Melo no TNDMII.



O Cinema de Annie Baker Tradução Francisco Frazão Com António Simão, Bruno Huca, Rita Cabaço e Miguel Galamba/João Pedro Mamede Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Coordenação Técnica João Chicó Assistência de Encenação Diana Santos e Bernardo Alves Encenação Pedro Carraca Apoio Cinemas NOS M12


No Teatro da Politécnica de 3 de Maio a 3 de Junho
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00


Num cinema esquecido de província, três empregados mal pagos varrem pipocas nos corredores vazios e cuidam de um dos últimos projectores de 35mm. Um tributo ao poder do cinema e um doloroso retrato de três pessoas no trabalho.
Nós, os espectadores, somos o ecrã onde é projectado o filme. A luz do projector irradia por sobre as nossas cabeças.


Fotografias © Jorge Gonçalves






SÉRGIO POMBO AGORA 

No Teatro da Politécnica de 19 de Abril a 3 de Junho
3ª a 6ª das 17h00 | Sáb. das 15h00 até ao final do espectáculo
A pintura de Sérgio Pombo – pintura, desenho, com figuras ou sem, a pintura que nele tudo é pintura, irredutivelmente pintura – é tão brilhantemente viva que ofusca, é tão desassombrada que nos assalta o equilíbrio, sofre, “o dia em que nasci morra e pereça”, dizia Job, amaldiçoa-nos – mas promete-nos o humano, o humano presente, o humano simplesmente, a vida de hoje, esta, sufocantemente bela na sua crueza rápida, na sua imensa solidão.
Com a rapidez das estrelas cadentes no céu de todas as noites, Sérgio Pombo, persegue a beleza, promete-nos que ela aí vem, está a chegar, voluptuosa.

 Jorge Silva Melo







JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams Tradução José Miguel Silva Com Isabel Munoz CardosoJoão Pedro MamedeGuilherme Gomes e Vânia Rodrigues Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Som André Pires Encenação Jorge Silva Melo M14


No Teatro Municipal de Almada, 19 de Maio às 21h30
RESERVAS | 212739360

 TOM Hoje em dia o mundo é atravessado por relâmpagos que o iluminam! Apaga as velas, Laura - e adeus...

Tennessee Williams
, Jardim Zoológico de Vidro

Derrotados, sim, abandonados, sem hipótese, deixados para trás, com a electricidade cortada e contas por pagar, vencidos: mas estes são os invencíveis, esses sonhadores que Tennessee Williams cantou.
Jorge Silva Melo

Fotografia © Jorge Gonçalves






NA MARGEM DE LÁ - UM LAMENTO de Jorge Silva Melo Com André Loubet, Andreia Bento, Catarina Wallenstein, Gonçalo Silva, Hugo Tourita, João Pedro Mamede, Luís Coelho, Nuno Gonçalo Rodrigues e Pedro Baptista Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Encenação Jorge Silva Melo M12

No Teatro Nacional D. Maria II de 25 a 28 de Maio5ª a Sáb. 21h30 | Dom. 16h30

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Continua, no Teatro da Politécnica, O CINEMA de Annie Baker e a exposição SÉRGIO POMBO AGORA. E é já para a semana que levamos o JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams a Almada. Na 6ª, 19 de Maio, no Teatro Municipal Joaquim Benite.



O Cinema de Annie Baker Tradução Francisco Frazão Com António Simão, Bruno Huca, Rita Cabaço e Miguel Galamba/João Pedro Mamede Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Coordenação Técnica João Chicó Assistência de Encenação Diana Santos e Bernardo Alves Encenação Pedro Carraca Apoio Cinemas NOS M12


No Teatro da Politécnica de 3 de Maio a 3 de Junho
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00


Num cinema esquecido de província, três empregados mal pagos varrem pipocas nos corredores vazios e cuidam de um dos últimos projectores de 35mm. Um tributo ao poder do cinema e um doloroso retrato de três pessoas no trabalho.
Nós, os espectadores, somos o ecrã onde é projectado o filme. A luz do projector irradia por sobre as nossas cabeças.


Fotografias © Jorge Gonçalves





SÉRGIO POMBO AGORA 

No Teatro da Politécnica de 18 de Abril a 3 de Junho
3ª a 6ª das 17h00 | Sáb. das 15h00 até ao final do espectáculo
A pintura de Sérgio Pombo – pintura, desenho, com figuras ou sem, a pintura que nele tudo é pintura, irredutivelmente pintura – é tão brilhantemente viva que ofusca, é tão desassombrada que nos assalta o equilíbrio, sofre, “o dia em que nasci morra e pereça”, dizia Job, amaldiçoa-nos – mas promete-nos o humano, o humano presente, o humano simplesmente, a vida de hoje, esta, sufocantemente bela na sua crueza rápida, na sua imensa solidão.
Com a rapidez das estrelas cadentes no céu de todas as noites, Sérgio Pombo, persegue a beleza, promete-nos que ela aí vem, está a chegar, voluptuosa.

 Jorge Silva Melo






De janeiro de 2017 a janeiro de 2018 nos primeiros domingos de cada mês, às 15h30, a Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva exibe os filmes produzidos pelos Artistas Unidos sobre artistas plásticos.
Onze filmes sobre artistas produzidos pelos Artistas Unidos, um retrato sensível das artes em Portugal na segunda metade do século XX. 
"Sim, tentei fazer retratos" , diz Jorge Silva Melo.

7 de Maio de 2017
ÂNGELO DE SOUSA. Tudo o que sou capaz de Jorge Silva Melo, 2010, 60 min, M/6
ÂNGELO DE SOUSA. Tudo o que sou capaz Realização Jorge Silva Melo Com Nuno Faria e João Perry Assistência de realização Joana Frazão Imagem José Luís Carvalhosa Som Armanda CarvalhoQuintino Bastos Montagem Vítor Alves Miguel Aguiar Produção João Matos, Manuel João Águas Uma Produção Artistas Unidos/ RTP

Um documentário sobre Ângelo de Sousa, pintor.
Ou antes um filme com Ângelo de Sousa, de tal forma estamos perto da sua colaboração? Um filme ao sabor de encontros espaçados no tempo (realizámos um primeiro encontro em Maio de 2007, a que se seguiram duas entrevistas em Setembro desse ano, duas em 10 de Maio de 2008, duas em Maio de 2009, filmámos a inauguração da exposição na Quadrado Azul em Novembro de 2009 - aproveitando apresentações públicas de obras., em que pretendemos captar a permanente fixação de um artista que insistiu na elementaridade dos meios, no abandono dos materiais nobres e dos processos complexos de criação.
Ou o retrato de um homem que se quer teimosamente simples, artista que reduziu o seu trabalho às três cores primárias e ao preto e branco, inventando permanentemente novas formas ou alterando as formas em suportes que as dinamizam.
Ângelo, tal como ele quer.

Jorge Silva Melo

Próxima sessão:
13 de Junho de 2017 | Vieira da Silva em Festa | Tema: Lisboa Capital Ibérico Americana
FERNANDO LEMOS | um filme que anda a ser feito
Com a presença de Jorge Silva Melo

terça-feira, 2 de maio de 2017

Estreamos O CINEMA de Annie Baker no Teatro da Politécnica! E ainda pode ver a exposição SÉRGIO POMBO AGORA. Na FASVS mais uma sessão de A ARTE EM IMAGENS. É a vez de ÂNGELO DE SOUSA. E daqui a dias, 6ª, 19 de Maio, o JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams estará no Teatro Municipal Joaquim Benite, Almada.


O Cinema de Annie Baker Tradução Francisco Frazão Com António Simão, Bruno Huca, Rita Cabaço e Miguel Galamba/João Pedro Mamede Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Coordenação Técnica João Chicó Assistência de Encenação Diana Santos e Bernardo Alves Encenação Pedro Carraca Apoio Cinemas NOS M12


No Teatro da Politécnica de 3 de Maio a 3 de Junho
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00


Num cinema esquecido de província, três empregados mal pagos varrem pipocas nos corredores vazios e cuidam de um dos últimos projectores de 35mm. Um tributo ao poder do cinema e um doloroso retrato de três pessoas no trabalho.
Nós, os espectadores, somos o ecrã onde é projectado o filme. A luz do projector irradia por sobre as nossas cabeças.


Fotografias ©
 Jorge Gonçalves



SÉRGIO POMBO AGORA 

No Teatro da Politécnica de 18 de Abril a 3 de Junho
3ª a 6ª das 17h00 | Sáb. das 15h00 até ao final do espectáculo

A pintura de Sérgio Pombo – pintura, desenho, com figuras ou sem, a pintura que nele tudo é pintura, irredutivelmente pintura – é tão brilhantemente viva que ofusca, é tão desassombrada que nos assalta o equilíbrio, sofre, “o dia em que nasci morra e pereça”, dizia Job, amaldiçoa-nos – mas promete-nos o humano, o humano presente, o humano simplesmente, a vida de hoje, esta, sufocantemente bela na sua crueza rápida, na sua imensa solidão.
Com a rapidez das estrelas cadentes no céu de todas as noites, Sérgio Pombo, persegue a beleza, promete-nos que ela aí vem, está a chegar, voluptuosa.

 Jorge Silva Melo




De janeiro de 2017 a janeiro de 2018 nos primeiros domingos de cada mês, às 15h30, a Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva exibe os filmes produzidos pelos Artistas Unidos sobre artistas plásticos.
Onze filmes sobre artistas produzidos pelos Artistas Unidos, um retrato sensível das artes em Portugal na segunda metade do século XX.
"Sim, tentei fazer retratos" , diz Jorge Silva Melo.

7 de Maio de 2017
ÂNGELO DE SOUSA. Tudo o que sou capaz de Jorge Silva Melo, 2010, 60 min, M/6
ÂNGELO DE SOUSA. Tudo o que sou capaz Realização Jorge Silva Melo Com Nuno Faria e João Perry Assistência de realização Joana Frazão Imagem José Luís Carvalhosa Som Armanda CarvalhoQuintino Bastos Montagem Vítor Alves e Miguel Aguiar Produção João Matos, Manuel João Águas Uma Produção Artistas Unidos/ RTP

Um documentário sobre Ângelo de Sousa, pintor.
Ou antes um filme com Ângelo de Sousa, de tal forma estamos perto da sua colaboração? Um filme ao sabor de encontros espaçados no tempo (realizámos um primeiro encontro em Maio de 2007, a que se seguiram duas entrevistas em Setembro desse ano, duas em 10 de Maio de 2008, duas em Maio de 2009, filmámos a inauguração da exposição na Quadrado Azul em Novembro de 2009 - aproveitando apresentações públicas de obras., em que pretendemos captar a permanente fixação de um artista que insistiu na elementaridade dos meios, no abandono dos materiais nobres e dos processos complexos de criação.
Ou o retrato de um homem que se quer teimosamente simples, artista que reduziu o seu trabalho às três cores primárias e ao preto e branco, inventando permanentemente novas formas ou alterando as formas em suportes que as dinamizam.
Ângelo, tal como ele quer.

Jorge Silva Melo

Próxima sessão:
13 de Junho de 2017 | Vieira da Silva em Festa | Tema: Lisboa Capital Ibérico Americana
FERNANDO LEMOS | um filme que anda a ser feito
Com a presença de Jorge Silva Melo




JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams Tradução José Miguel Silva Com Isabel Munoz Cardoso, João Pedro MamedeGuilherme Gomes Vânia Rodrigues Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Som André Pires Encenação Jorge Silva Melo M14


No Teatro Municipal de Almada, 19 de Maio às 21h30
RESERVAS | 212739360

 TOM Hoje em dia o mundo é atravessado por relâmpagos que o iluminam! Apaga as velas, Laura - e adeus...

Tennessee Williams
, Jardim Zoológico de Vidro

Derrotados, sim, abandonados, sem hipótese, deixados para trás, com a electricidade cortada e contas por pagar, vencidos: mas estes são os invencíveis, esses sonhadores que Tennessee Williams cantou.
Jorge Silva Melo

Fotografia © Jorge Gonçalves


segunda-feira, 24 de abril de 2017

Última semana de MARCHA INVENCÍVEL d’Os Possessos, no Teatro da Politécnica. Continua a exposição SÉRGIO POMBO AGORA e já para a semana estreamos O CINEMA de Annie Baker. Ainda na próxima semana, na FASVS, A ARTE EM IMAGENS com a exibição de ÂNGELO DE SOUSA Tudo o que sou capaz de Jorge Silva Melo. E em breve JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams no Teatro Municipal Joaquim Benite, em Almada.





MARCHA INVENCÍVEL um espectáculo d'Os Possessos Com Ana Valente, Catarina Rôlo Salgueiro, Frederico Serpa, Inês Laranjeira, Isabel Costa, Mia Tomé, Miguel Cunha, Nádia Yracema, Nuno Gonçalo Rodrigues, Rafael Gomes e Vicente Wallenstein Música Inês Laranjeira, Marco Mendonça, Rafael Gomes e Vicente Wallenstein Cenografia e Figurinos Gonçalo Quirino Luz Francis Seleck Colaboração Daniel Gamito Marques, Maria Jorge, Marco Mendonça, Leonor Buescu e Tiago de Cena Texto e Encenação João Pedro Mamede M16


No Teatro da Politécnica de 14 a 29 de Abril
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00

Depois da chegada do estranho à Sala 34, este deve ser apresentado a Susana. Então o melhor a fazer será intensificar a influência sobre os seus sonhos, de modo a controlar a expectativa inerente ao beijo entre os dois. Na eventualidade de se materializar, de se perigarem os corpos, devemos evacuar imediatamente o Edifício. É esta a expressa opinião do Conselho de Sábios Desconhecidos, aguardando uma resposta sua, em nome de todo o Edifício, para avançar com a proposta de intervenção em anexo.

Um espectáculo d' Os Possessos (Rapsódia Batman, II - A Mentira) para uma idade sem nome e um tempo invencível, em que o sonho se torna insónia e despertar é desiludir-se.

Fotografia © Alípio Padilha





 SÉRGIO POMBO AGORA 


No Teatro da Politécnica de 18 de Abril a 3 de Junho

3ª a 6ª das 17h00 | Sáb. das 15h00 até ao final do espectáculo

A pintura de Sérgio Pombo – pintura, desenho, com figuras ou sem, a pintura que nele tudo é pintura, irredutivelmente pintura – é tão brilhantemente viva que ofusca, é tão desassombrada que nos assalta o equilíbrio, sofre, “o dia em que nasci morra e pereça”, dizia Job, amaldiçoa-nos – mas promete-nos o humano, o humano presente, o humano simplesmente, a vida de hoje, esta, sufocantemente bela na sua crueza rápida, na sua imensa solidão.

Com a rapidez das estrelas cadentes no céu de todas as noites, Sérgio Pombo, persegue a beleza, promete-nos que ela aí vem, está a chegar, voluptuosa.
 Jorge Silva Melo





O Cinema de Annie Baker Tradução Francisco Frazão Com António Simão, Bruno Huca, Rita Cabaço e Pedro Gabriel MarquesCenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Coordenação Técnica João Chicó Assistência de Encenação Diana Santos e Bernardo Alves Encenação Pedro Carraca Apoio Cinemas NOS M12



No Pequeno Auditório da Culturgest de 19 a 23 de Abril No Teatro da Politécnica de 3 de Maio a 3 de Junho
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00


Num cinema esquecido de província, três empregados mal pagos varrem pipocas nos corredores vazios e cuidam de um dos últimos projectores de 35mm. Um tributo ao poder do cinema e um doloroso retrato de três pessoas no trabalho.
Nós, os espectadores, somos o ecrã onde é projectado o filme. A luz do projector irradia por sobre as nossas cabeças.


Fotografias © Jorge Gonçalves




De janeiro de 2017 a janeiro de 2018 nos primeiros domingos de cada mês, às 15h30, a Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva exibe os filmes produzidos pelos Artistas Unidos sobre artistas plásticos.
Onze filmes sobre artistas produzidos pelos Artistas Unidos, um retrato sensível das artes em Portugal na segunda metade do século XX. 
"Sim, tentei fazer retratos" , diz Jorge Silva Melo.

7 de Maio de 2017
ÂNGELO DE SOUSA. Tudo o que sou capaz de Jorge Silva Melo, 2010, 60 min, M/6
ÂNGELO DE SOUSA. Tudo o que sou capaz Realização Jorge Silva Melo Com Nuno Faria e João Perry Assistência de realização Joana Frazão Imagem José Luís Carvalhosa Som Armanda Carvalho, Quintino Bastos Montagem Vítor Alves Miguel Aguiar Produção João Matos, Manuel João Águas Uma Produção Artistas Unidos/ RTP

Um documentário sobre Ângelo de Sousa, pintor.
Ou antes um filme com Ângelo de Sousa, de tal forma estamos perto da sua colaboração? Um filme ao sabor de encontros espaçados no tempo (realizámos um primeiro encontro em Maio de 2007, a que se seguiram duas entrevistas em Setembro desse ano, duas em 10 de Maio de 2008, duas em Maio de 2009, filmámos a inauguração da exposição na Quadrado Azul em Novembro de 2009 - aproveitando apresentações públicas de obras., em que pretendemos captar a permanente fixação de um artista que insistiu na elementaridade dos meios, no abandono dos materiais nobres e dos processos complexos de criação.
Ou o retrato de um homem que se quer teimosamente simples, artista que reduziu o seu trabalho às três cores primárias e ao preto e branco, inventando permanentemente novas formas ou alterando as formas em suportes que as dinamizam.
Ângelo, tal como ele quer.

Jorge Silva Melo

Próxima sessão:
13 de Junho de 2017 | Vieira da Silva em Festa | Tema: Lisboa Capital Ibérico Americana
FERNANDO LEMOS | um filme que anda a ser feito
Com a presença de Jorge Silva Melo




JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams Tradução José Miguel Silva Com Isabel Munoz CardosoJoão Pedro MamedeGuilherme Gomes e Vânia Rodrigues Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Som André Pires Encenação Jorge Silva Melo M14


No Teatro Municipal de Almada, 19 de Maio às 21h30

RESERVAS | 212739360



 TOM Hoje em dia o mundo é atravessado por relâmpagos que o iluminam! Apaga as velas, Laura - e adeus...


Tennessee Williams
, Jardim Zoológico de Vidro


Derrotados, sim, abandonados, sem hipótese, deixados para trás, com a electricidade cortada e contas por pagar, vencidos: mas estes são os invencíveis, esses sonhadores que Tennessee Williams cantou.

Jorge Silva Melo


Fotografia © Jorge Gonçalves

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Continua no Teatro da Politécnica MARCHA INVENCÍVEL um espectáculo d’Os Possessos. E inaugura amanhã a exposição SÉRGIO POMBO AGORA, enquanto na Culturgest nos preparamos para estrear O CINEMA de Annie Baker, E daqui a nada temos JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams no Teatro Municipal Joaquim Benite, em Almada.


MARCHA INVENCÍVEL um espectáculo d'Os Possessos Com Ana Valente, Catarina Rôlo Salgueiro, Frederico Serpa, Inês Laranjeira, Isabel Costa, Mia Tomé, Miguel Cunha, Nádia Yracema, Nuno Gonçalo Rodrigues, Rafael Gomes e Vicente Wallenstein Música Inês Laranjeira, Marco Mendonça, Rafael Gomes e Vicente Wallenstein Cenografia e Figurinos Gonçalo Quirino Luz Francis Seleck Colaboração Daniel Gamito Marques, Maria Jorge, Marco Mendonça, Leonor Buescu e Tiago de Cena Texto e Encenação João Pedro Mamede M16


No Teatro da Politécnica de 14 a 29 de Abril
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00

Depois da chegada do estranho à Sala 34, este deve ser apresentado a Susana. Então o melhor a fazer será intensificar a influência sobre os seus sonhos, de modo a controlar a expectativa inerente ao beijo entre os dois. Na eventualidade de se materializar, de se perigarem os corpos, devemos evacuar imediatamente o Edifício. É esta a expressa opinião do Conselho de Sábios Desconhecidos, aguardando uma resposta sua, em nome de todo o Edifício, para avançar com a proposta de intervenção em anexo.

Um espectáculo d' Os Possessos (Rapsódia Batman, II - A Mentira) para uma idade sem nome e um tempo invencível, em que o sonho se torna insónia e despertar é desiludir-se.


Fotografia © Alípio Padilha


SÉRGIO POMBO AGORA 

No Teatro da Politécnica de 18 de Abril a 3 de Junho
3ª a 6ª das 17h00 | Sáb. das 15h00 até ao final do espectáculo
 
A pintura de Sérgio Pombo – pintura, desenho, com figuras ou sem, a pintura que nele tudo é pintura, irredutivelmente pintura – é tão brilhantemente viva que ofusca, é tão desassombrada que nos assalta o equilíbrio, sofre, “o dia em que nasci morra e pereça”, dizia Job, amaldiçoa-nos – mas promete-nos o humano, o humano presente, o humano simplesmente, a vida de hoje, esta, sufocantemente bela na sua crueza rápida, na sua imensa solidão.
Com a rapidez das estrelas cadentes no céu de todas as noites, Sérgio Pombo, persegue a beleza, promete-nos que ela aí vem, está a chegar, voluptuosa.

 Jorge Silva Melo



O Cinema de Annie Baker Tradução Francisco Frazão Com António Simão, Bruno Huca, Rita Cabaço e Pedro Gabriel Marques Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Coordenação Técnica João Chicó Assistência de Encenação Diana Santos e Bernardo Alves Encenação Pedro Carraca Apoio Cinemas NOS M12


No Pequeno Auditório da Culturgest de 19 a 23 de Abril
No Teatro da Politécnica de 3 de Maio a 3 de Junho
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00


Num cinema esquecido de província, três empregados mal pagos varrem pipocas nos corredores vazios e cuidam de um dos últimos projectores de 35mm. Um tributo ao poder do cinema e um doloroso retrato de três pessoas no trabalho.
Nós, os espectadores, somos o ecrã onde é projectado o filme. A luz do projector irradia por sobre as nossas cabeças.


Fotografias ©
 Jorge Gonçalves


JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams Tradução José Miguel Silva Com Isabel Munoz Cardoso, João Pedro Mamede, Guilherme Gomes e Vânia Rodrigues Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Som André Pires Encenação Jorge Silva Melo M14


No Teatro Municipal de Almada, 19 de Maio às 21h30
RESERVAS | 212739360

 TOM Hoje em dia o mundo é atravessado por relâmpagos que o iluminam! Apaga as velas, Laura - e adeus...

Tennessee Williams
, Jardim Zoológico de Vidro

Derrotados, sim, abandonados, sem hipótese, deixados para trás, com a electricidade cortada e contas por pagar, vencidos: mas estes são os invencíveis, esses sonhadores que Tennessee Williams cantou.
Jorge Silva Melo

Fotografia 
© Jorge Gonçalves