quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Artistas Unidos no BAIRRO DAS ARTES, hoje, 5ª 22 de Setembro. NOITE, NOITE MAIS DO QUE HOJE de João Jacinto, no Teatro da Politécnica. E pelas 23h30 AINDA NÃO ACABÁMOS de Jorge Silva Melo no Cinema Ideal.


7ª EDIÇÃO DO BAIRRO DAS ARTES — A RENTRÉE CULTURAL DA SÉTIMA COLINA DE LISBOA

22.SETEMBRO, DAS 19H ÀS 23H. 34 ESPAÇOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA

Na sua sétima edição, o Bairro das Artes reforça a oferta artística nesta área da cidade de Lisboa, apresentando aos diversos públicos, nacionais e estrangeiros, e de forma gratuita, cerca de 30 eventos que ocorrem em galerias, museus, livrarias e outros espaços ligados à Arte Contemporânea nesta colina da cidade. Inaugurações,visitas acompanhadas, lançamentos de livros, manifestações artísticas nas ruas deste “Bairro Aberto”, numa programação muito eclética no campo das Artes Visuais com Pintura, Fotografia, Instalação, Desenho, Gravura, que se volta a estender à Arte Urbana e, pela primeira vez, à Joalharia. A edição de 2016 do Bairro das Artes contempla a participação da quase totalidade dos espaços ligados à Arte Contemporânea, com programação regular na 7a colina de Lisboa, mantendo-se assim estes dois eixos que definem a génese deste evento.

O Bairro das Artes é uma organização de Isto não é um cachimbo. Associação em co-produção com a Galeria das Salgadeiras e o I Love Bairro Alto.



Exposição de João Jacinto
No Teatro da Politécnica de 14 de Setembro a 22 de Outubro
3ª a 6ª das 17h00 | Sábado das 15h00 até final do espectáculo


Bairro das Artes, 5ª 22 de Setembro no Teatro da Politécnica exposição aberta com presença do artista, 19h00-20h30



"Quando a taciturna chegar e decapitar as túlipas", dizia Paul Celan, o poeta que logo procurei ao chegar um dia destes do atelier do João Jacinto e ele me mostrar uma infinidade de papéis (não disse desenhos, não sei se são, o carvão aqui pinta o magma, a noite sem redenção, serão pintura). "Quando a taciturna chegar." E neste poema, ele pergunta: "quem assomará à janela?" Procuro esta poesia para salvar o susto? Redimir o temor? Procuro estes dizeres para arrumar o medo? Para sobreviver ao inverno dos corpos? Na arte (mortuária? espectral?) de João Jacinto, emergem figuras, assombrações, pesadelos, fantasmagorias. Emergem, disse. Mas podia também dizer "afundam-se". E repetem-se, repetem-se, repetem-se, avassaladoras.

Jorge Silva Melo



AINDA NÃO ACABÁMOS como se fosse uma carta de Jorge Silva Melo Com Américo SilvaAntónio SimãoCatarina Wallenstein, Jean Jourdheuil, Spiro ScimoneElmano SanchoManuel WiborgIsabel Muñoz CardosoSylvie Rocha, Fernando Lemos, Jorge Martins,João Pedro Mamede, José Medeiros Ferreira, Pedro CarracaJoão MeirelesVânia RodriguesMaria João PinhoMaria João Luís, Miguel Borges, Pedro GilRita BrüttRúben GomesSofia Areal Direcção de Fotografia José Luís Carvalhosa Som Armanda CarvalhoMontagem Miguel Aguiar e Vítor Alves Realização Jorge Silva Melo Produção Artistas Unidos



Bairro das Artes, 
5ª 22 de Setembro no Cinema Ideal, 23h30


Sou eu que escrevo esta carta, como se fosse uma carta, sim, sou eu. Não tanto para falar de mim, mas do que me prometeram, daquilo que perdi, daquilo que consegui continuar. Prometeram-me um mundo de linhas simples, cresci quando se fazia, ao lado da minha escola, o edifício das Águas Livres de Nuno Teotónio Pereira, Portugal saía do português-suave que se sobrepôs ao modernismo. O mundo que imaginei meu seria assim, simples, sem enfeites. Foi o que me prometeram tantos dos que vieram antes de mim. Visito aqui os locais - nem todos - que me disseram seriam os da minha vida. Que foi feita por outros que a desenharam. Em Lisboa, ou em Paris, onde trabalhei e onde me sinto em casa. Ou Roma onde não cheguei a instalar-me. Lembro muita gente que me contou o mundo - mas nem todos.. É uma carta. Ou... É um auto-retrato (auto-filme? auto-golo) comigo de costas: para que quem veja, veja o que eu vejo. Aquilo que vejo (vi, verei) será aquilo que sou? Mas é uma carta, é a ti que quero contar, a ti, rapaz que quiseste ser actor. 

Jorge Silva Melo





Sem comentários:

Publicar um comentário