segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Últimas semanas de RETRATO DE MULHER ÁRABE QUE OLHA O MAR, de Davide Carnevali e de VOLTAR A VER O JOÃO (VIEIRA). Até 8 de Dezembro, no Teatro da Politécnica. E amanha, 3ª 27, temos na Politécnica o lançamento do Livrinho de Teatro nº 120, com leitura de 50 – ORLANDO, OUVE, de André Murraças. Na 6ª 30 levamos DO ALTO DA PONTE, de Arthur Miller ao Teatro Aveirense, e no sábado 1 à Póvoa de Varzim. Últimos dias de inscrições para o seminário ÀS CLARAS, dirigido por Jorge Silva Melo.


RETRATO DE MULHER ÁRABE QUE OLHA O MAR de Davide Carnevali Tradução Tereza Bento Com Inês PereiraJoão MeirelesNuno Gonçalo Rodrigues e Margarida Correia Cenografia José Manuel Reis Figurinos Joana Sousa Som André Pires Luz Pedro Domingos Assistente Pedro Baptista Encenação Jorge Silva Melo e com telas de Pedro Chorão M12

No Teatro da Politécnica de 31 de Outubro a 8 de Dezembro
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00

RESERVAS: 961960281

HOMEM É um retrato. De mim e de ti. Fi-lo há uns dias, na praia. Enquanto olhavas o mar.
RAPARIGA Desaparece daqui, estrangeiro, europeu, desaparece.

Uma cidade sem nome, num mundo muçulmano não identificado (não é Médio Oriente, a população não é propriamente árabe; Será Norte de África? Não importa), um homem sem nome com uma profissão entre o lícito e o ilícito, europeu mas não turista, encontra o olhar de uma mulher local, jovem, talvez bonita, talvez livre, vinda de uma família de visões amplas.Fotografia © Jorge Gonçalves



VOLTAR A VER O JOÃO (VIEIRA) 

O João pintou todas as letras de que é feita a poesia. Mostrando nos seus quadros que ler pintura é também ver poesia. É assim que volto a vê-lo todos os dias. E por isso, enquanto eu continuar a poder ver, ele continuará a ser o meu melhor amigo.


Hélder Macedo


No Teatro da Politécnica de 31 de Outubro a 8 de Dezembro3ª a 6ª das 17h00 | Sáb. das 15h00 até ao final do espectáculo
Entrada Livre



Lançamento Livrinho de Teatro nº 120
50 – ORLANDO, OUVE E OUTRAS PEÇAS
de André Murraças


Leitura de 50 - ORLANDO, OUVE, de André Murraças.

Com Anabela Brígida, André Loubet, André Murraças, André Patrício, Andreia Bento, António Simão, Dina Santos, Fernando Ferreira, Helder Bráz, Hugo Tourita, Inês Pereira, Isabel Milhanas Machado, João Estima, João Meireles, Jonathan Wightman, Margarida Correia, Nuno Gonçalo Rodrigues, Pedro Baptista, Tiago Boto, Tiago Manaia e Wagner Borges

No Teatro da Politécnica, a 27 de Novembro às 21h00
Entrada Livre

André Murraças, dramaturgo e encenador, divide-se entre textos que representa a solo e peças para diversos actores. O presente volume junta algumas dessas obras. A revista Mini Internacional considerou-o um dos mais relevantes autores da sua geração.




DO ALTO DA PONTE de Arthur Miller Tradução Ana Raquel Fernandes e Rui Pina Coelho Com Américo Silva, Joana Bárcia, Vânia Rodrigues, António Simão Bruno Vicente, André Loubet, Tiago Matias, Hugo TouritaGonçalo Carvalho, João Estima, Hélder Braz, Inês Pereira, Romeu Vala e Miguel Galamba Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Som André Pires Produção João Meireles Assistência de Encenação Nuno Gonçalo Rodrigues e Inês Pereira Encenação Jorge Silva Melo M12

No Porto, no Teatro Nacional São João de 8 a 25 de Novembro
4ª e Sáb. às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Dom. às 16h00

No Teatro Aveirense a 30 de Novembro
Na Póvoa de Varzim, no Cine-Teatro Garret, a 1 de Dezembro
No São Luiz Teatro Municipal de 10 a 27 de Janeiro de 2019
Em Faro, no Teatro das Figuras a 31 de Janeiro

No Teatro Municipal de Almada a 9 e 10 de Fevereiro
Em Setúbal, no Fórum Municipal Luísa Todi a 16 de Fevereiro
Em Viana do Castelo, no Teatro Municipal Sá de Miranda a 16 de Março
Em Coimbra, no Convento de S. Francisco a 22 de Março

Catherine Diz-me uma coisa. Quer dizer, diz-me só isto, Rodolpho - ainda quererias casar comigo se afinal tivéssemos que ir viver para itália? Se tivesse que ser.
Rodolpho Quem está a perguntar. Tu ou ele?

Arthur Miller, Do Alto da Ponte

Um drama passional, um dilema moral, uma tragédia contemporânea? Nos portos de Nova Iorque, entre emigrantes italianos. A suspeição, o ciúme, a delação, a traição numa altura em que arranca a caça às bruxas do MacCarthismo. Que lei é esta que não respeita a lei de cada um? Quem são os vitoriosos, quais os derrotados?  Depois de  visitar com regularidade Harold Pinter (15 peças), Pirandello (2), Bertolt Brecht (3) e Tennessee Williams (4), os Artistas Unidos  que dedicam particular atenção ao que se escreve agora, entregam-se  desta vez ao teatro de Arthur Miller, descobrindo personagens escritos para eles. Traições, contradições, cegueira, leis antigas, leis  e morte, sangue de gente pobre. Em palco, falar-se-á de emigrantes, de escolhas difíceis, dos anos 50, dos dias de hoje.

Fotografias © Jorge Gonçalves

Sem comentários:

Publicar um comentário