terça-feira, 3 de novembro de 2015

E esta semana estreamos O TEMPO de Lluïsa Cunillé, uma peça tão bonita. Estreia na sexta-feira, 6 e com duas sessões nesse dia, às 19h e às 21h. E para a semana, na segunda 9, pelas 18h30, retoma no São Luiz o ciclo A PALAVRA AOS ARTISTAS desta vez com o filme Ana Vieira: E O QUE NÃO É VISTO. No final, conversa com Paulo Pires do Vale. E amanhã, na Antena Dois, na rubrica TEATRO SEM FIOS passa JOGADORES, a peça de Pau Miró. Pelas 21h.


O TEMPO de Lluïsa Cunillé Tradução Ângelo Ferreira de Sousa Com Américo Silva e Rita Brütt Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Coordenação Técnica João Chicó Assistente  João Pedro Mamede Encenação Jorge Silva Melo M12

No Teatro da Politécnica de 6 de Novembro a 12 de Dezembro
6 de Novembro às 19h00 e às 21h00
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00
Reservas | 961960281
 
Ele Desanimada?
Ela Sim, ultimamente.
Ele Não.
Ela Falou-lhe alguma vez do futuro?
Ele Do futuro?
Ela Da empresa...
Lluïsa Cunillé, O Tempo

Um drama de personagens que mantém a tensão a partir de poucos elementos e do uso dos silêncios e das palavras, do que se diz e do que se cala. Obra subtil e delicada, conta a história de um homem e de uma mulher com as suas famílias e situações respectivas que, ao fim de algum tempo, coincidem de forma casual.
O desassossego que O Tempo produz não nasce daquilo que nos é oculto, mas da franca simplicidade daquilo que nos é mostrado. Ainda que o tema do tempo constitua um dos grandes temas da arte contemporânea e de todas as épocas anteriores, é um tema fácil; despi-lo de qualquer artifício é o grande êxito de Cunillé.

Iolanga G. Madariaga



6 de Outubro a 2 de Maio
CICLO DE FILMES / CONVERSAS
A PALAVRA AOS ARTISTAS
Co-apresentação: MNAC – Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado
Em parceria com Cinema Ideal, Midas Filmes e S. Luiz Teatro Municipal
Teatro-Estúdio Mário Viegas
Entrada livre sujeita à lotação da sala
(levantamento de bilhetes, até dois por pessoa, no próprio dia a partir das 13h)
Por ocasião da exposição Narrativa de uma Coleção - Arte Portuguesa na Coleção da Secretaria de Estado da Cultura (1960-1990), que inaugurou a 15 julho 2015 no espaço do MNAC-MC na Rua Capelo, o São Luiz Teatro Municipal e o Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado promovem uma mostra dos filmes realizados pelos Artistas Unidos sobre vários artistas cujas obras integram a colecção.


9 NOV
Segunda às 18h30
ANA VIEIRA
Conversa com Paulo Pires do Vale

Ana Vieira: E o Que Não é Visto de Jorge Silva Melo
(2011, 60 min, M/6)
Pode consultar toda a programação aqui.


JOGADORES de Pau Miró Tradução Joana Frazão Com Américo Silva, António Simão, João Meireles e Pedro Carraca Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Coordenação Técnica João Chicó Assistente João Pedro Mamede Encenação Jorge Silva Melo M12

No Teatro Sem Fios, na Antena 2, às 21h00
PROFESSOR É fácil prever o futuro. Basta olhar para o céu. Ou para o espelho. Se te vires ao espelho, podes saber o futuro.

Pau Miró, Jogadores

É como se estas personagens se tivessem esquecido do texto e estivessem à espera que voltasse. Perderam o pulsar do mundo, e só têm uma maneira de o recuperar, talvez demasiado arriscada, seguramente demasiado perigosa. E louca. E também desesperada. Ao fim e ao cabo, no entanto, a única maneira.

Pau Miró

Fotografia © Jorge Gonçalves

Sem comentários:

Publicar um comentário