segunda-feira, 9 de junho de 2014

E a partir de 6ª, 13, estamos no Porto, no TNSJ com O REGRESSO A CASA de Harold Pinter. E no sábado, 14 de Junho, UM PRECIPÍCIO NO MAR de Simon Stephens estará no Montijo (integrado no Artemrede).

O REGRESSO A CASA de Harold Pinter 

Tradução Pedro Marques Com João Perry, Rúben Gomes, Maria João Pinho, Elmano Sancho, João Pedro Mamede e Jorge Silva Melo Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Construção Thomas Kahrel Luz Pedro Domingos Fotografias Jorge Gonçalves Assistência Leonor Carpinteiro e Nuno Gonçalo Rodrigues Produção Executiva João Meireles Encenação Jorge Silva Melo Uma Produção Teatro Nacional D. Maria II/Teatro Nacional S. João/Artistas Unidos M16

No Porto, Teatro Nacional S. João, de 13 a 29 de Junho
4ª a Sáb. às 21h30 | Dom às 16h00
Reservas | 22 340 19 10

MAX Se calhar não é má ideia ter uma mulher em casa. Se calhar até é uma coisa boa. Quem sabe? Se calhar devíamos ficar com ela.

Harold Pinter, O Regresso a Casa
 

Encanta-me trabalhar o teatro exacto de Harold Pinter, os silêncios, o humor, a crueldade, encanta-me a maneira que tem de fazer falar o mais simples objecto, um copo de água, por exemplo. Encanta-me trabalhar com o João Perry, encantam-me estes actores, exactos.
 

Jorge Silva Melo

O Texto está editado no TEATRO I de Harold Pinter (Relógio d'Água).

Fotografias ©
Jorge Gonçalves


UM PRECIPÍCIO NO MAR de Simon Stephens 
 

Tradução Hélia Correia Com João Meireles Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Fotografia Jorge Gonçalves Encenação Jorge Silva Melo M12
 
No Montijo, Cinema-teatro Joaquim d'Almeida, a 14 de Junho às 21h30
Reservas | 212 327 882

No Festival Altitudes de Montemuro, a 14 de Agosto
No Sobral de Monte Agraço, Cine-Teatro do Sobral de Monte Agraço, a 6 de Setembro às 21h30
Em Abrantes, Cine-Teatro S. Pedro, a 12 de Setembro às 21h30
Em Santarém, Teatro Sá da Bandeira, a 13 de Setembro às 21h30

Lá porque não sabemos, não quer dizer que não venhamos a saber. Nós só não sabemos por agora. Mas acho que um dia saberemos. Acho que sim.

Simon Stephens, Um Precipício no Mar

Monólogo perfeito de quarenta e poucos minutos, parece a história trivial de um jovem amor, da paternidade e da família, mas com a ratoeira de uma tragédia sem sentido. Pode ser Deus responsável pela beleza da vida e também pela crueldade inexplicável?

Jorge Silva Melo

Fotografias ©Jorge Gonçalves

Sem comentários:

Publicar um comentário