segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

Termina já este sábado, 14, a carreira de VEMO-NOS AO NASCER DO DIA de Zinnie Harris. Até esse dia, pode também ver no Teatro da Politécnica a exposição DE NOITE, TODOS OS GATOS de João Gabriel. No mesmo dia, VIDAS ÍNTIMAS de Noël Coward estará em Ponte de Lima, no Teatro Diogo Bernardes. E em Cascais, na Casa Sommer, também no sábado 14, Luís Lucas e Manuel Wiborg lêem o Cancioneiro de Natal de David Mourão-Ferreira.


VEMO-NOS AO NASCER DO DIA de Zinnie Harris Tradução Francisco Frazão Com Andreia Bento e Joana Bárcia Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Assistência de Encenação Inês Pereira Encenação Pedro Carraca Uma produção Artistas Unidos M14

No Teatro da Politécnica de 6 de Novembro a 14 de Dezembro
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. 16h00 e às 21h00

Helen
 Eu tinha-te ajudado se pudesse.
Robyn Também eu. Já disse que está tudo bem.
Helen Teria nadado de volta para te ir buscar. Teria feito tudo por ti, só que -

Zinnie Harris, Vemo-nos ao nascer do dia

Estamos junto ao mar, e houve um naufrágio. Duas mulheres. Uma delas vê a outra surgir na neblina. Tentam reconstruir o que se passou para perceber como chegaram ali e como podem voltar a terra. Mas nada é o que parece. Quem já perdeu alguém perceberá este desejo de mais uns minutos com a pessoa amada.

“Meet me at Dawn é uma peça sobre o amor e o luto. Queria que a peça tivesse uma relação com o mito de Orfeu e Eurídice, um mito criado para abordar a impossibilidade da morte; quando alguém morre, simplesmente não conseguimos aceitar que nunca mais veremos essa pessoa. Mas, e se pudéssemos ver essa pessoa mais uma vez? A forma não naturalista do teatro permite-nos imaginar um pouco de pó mágico e apresentar essa possibilidade.”
Zinnie Harris
Fotografia © Jorge Gonçalves



DE NOITE, TODOS OS GATOS de João Gabriel

No Teatro da Politécnica de 6 de Novembro a 14 de Dezembro
3ª a 6ª das 17h00 | Sáb. das 15h00 até ao final do espectáculo

Entrevêem-se corpos à distância. É nesta penumbra, olhando as personagens destas histórias e as acções congeladas num tempo impossível de localizar, que se encontram os gatos. Esguios observadores, os seus contornos tão indefinidos como os das figuras que desenham contra a escuridão, são espectadores passivos do que se faz nas sombras. São eles que vêem quem olha e quem é olhado, sem nunca intervir no enquadramento, existindo num plano intocável duma narrativa tão maleável e lúbrica quanto a sua compleição. De noite, todos os corpos, e todos os gatos, são pardos.

Marta Espiridião
Curadoria: Marta Espiridião
Apoio: Fundação Calouste Gulbenkian

Fotografia © Jorge Gonçalves



VIDAS ÍNTIMAS de Noël Coward Tradução Miguel Esteves Cardoso Com Rúben Gomes, Rita Durão, Tiago Matias, Vânia Rodrigues, Isabel Muñoz Cardoso Cenografia Rita Lopes Alves e José Manuel Reis Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Som André Pires Apoio Musical Rui Rebelo Encenação Jorge Silva Melo Produção Artistas Unidos Co-Produção Teatro Nacional São João e Centro Cultural de Belém M12

Em Ponte de Lima, no Teatro Diogo Bernardes a 14 de Dezembro de 2019

Devem ser muito raras as pessoas que são completamente normais, lá no fundo das vidas privadas de cada um. Tudo depende de um dado conjunto de circunstâncias. Se todas as geringonças cósmicas se fundem ao mesmo tempo e se solta a faísca certa, sabe-se lá o que uma pessoa não será capaz de fazer.

Noël Coward, Vidas Íntimas


"A frivolidade só é frívola para aqueles que não são frívolos", diz a Madame De na obra-prima de Max Ophüls. E podia aplicar-se a este teatro de dinner jackets, champanhe, rosas, camélia e muita malícia. Mas vistas agora estas Private Lives são uma das mais cruéis análises das relações matrimoniais. Sob a doçura de uma primavera na Cote d´Azur quanto veneno, quanta maldade, quanto amor perdido? Uma obra-prima que queremos revisitar, um grande autor "menorizado" e fundamental. Depois de Pinter, Williams, Miller, quem? E com um sorriso de compreensão pelas fraquezas humanas.
Jorge Silva Melo

Fotografia © Jorge Gonçalves



EM VOZ ALTA
os nossos poetas
leituras de poesia portuguesa pelos Artistas Unidos

Eu gosto de ler em voz alta, eu gosto de ouvir poesia lida pelos actores com quem trabalho, eu gosto de poesia lida para várias pessoas, eu gosto de leituras de poesia, ver gente, sentir gente à volta das palavras suspensas do poeta.

Em Cascais, na Casa Sommer, às 18h30:Sábado, 14 de Dezembro - Cancioneiro de Natal de David Mourão-Ferreira por Luís Lucas e Manuel Wiborg.

Fotografia © Jorge Gonçalves

Sem comentários:

Publicar um comentário