segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Na quinta, 27, pelas 19h vamos falar de livros: CIDADE PROIBIDA de Eduardo Pitta (entrada livre). E em ensaios, A MODÉSTIA de Rafael Spregelburd que estreia no Teatro da Politécnica a 26 de Março. E O REGRESSO A CASA de Harold Pinter no D.Maria a 3 de Abril. Trabalho, trabalho.

A MODÉSTIA de Rafael Spregelburd Tradução Alexandra Moreira da Siva e Guillermo Heras com Andreia Bento, António Simão, João Meireles Sílvia Filipe Audiovisual Eduardo Breda Composição musical Pino Pecorelli Luz Pedro Domingos Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Assistente Joana Barros Encenação Amândio Pinheiro Uma produção Artistas Unidos/Causa

No Teatro da Politécnica de 26 de Março a 26 de Abril3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | sáb às 16h00 e às 21h00
Reservas | 961960281

SÃO XAVIER: O seu marido deu-me a chave.
MARIA FERNANDA: A chave?
SÃO XAVIER: Sou amigo do seu marido.

Rafael Spregelburd, A MODÉSTIA


E é a vez do argentino Rafael Spregelburd (actor, dramaturgo, encenador, tradutor). A MODÉSTIA faz parte da Heptalogía de H. Bosch, sete obras inspiradas nos pecados mortais do pintor flamengo. Escritas ao longo de uma década, cada uma é um desafio às regras desta civilização em decomposição e uma tentativa de sabotagem do próprio teatro.
Em A MODÉSTIA há poucas certezas. Os actores e eu tratamos os protagonistas desta história com uma piedade inusual. E, apesar disso, embora todos abracem o Bem como fim, não poderia correr-lhes pior.
Rafael Spregelburd



O REGRESSO A CASA de Harold Pinter Tradução Pedro Marques Com João Perry, Rúben Gomes, Maria João Pinho, Elmano SanchoJoão Pedro Mamede Jorge Silva Melo Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Assistência Leonor Carpinteiro Nuno Gonçalo Rodrigues Encenação Jorge Silva Melo Uma Produção Teatro Nacional D. Maria II/Teatro Nacional S. João/Artistas Unidos M16

No Teatro Nacional D. Maria II de 3 a 27 de Abril
4ª às 19h00 | 5ª a Sáb. às 21h00 | Dom às 16h00
ATENÇÃO: Não se realiza sessão no Dom 20 de Abril.
No Porto, Teatro Nacional S. João, de 12 a 29 de Junho
4ª a Sáb. às 21h30 | Dom às 16h00


MAX Se calhar não é má ideia ter uma mulher em casa. Se calhar até é uma coisa boa. Quem sabe? Se calhar devíamos ficar com ela.


Harold Pinter, O Regresso a Casa


Encanta-me trabalhar o teatro exacto de Harold Pinter, os silêncios, o humor, a crueldade, encanta-me a maneira que tem de fazer falar o mais simples objecto, um copo de água, por exemplo. Encanta-me trabalhar com o João Perry, encantam-me estes actores, exactos.
Jorge Silva Melo

O Texto está editado no TEATRO I de Harold Pinter (Relógio d'Água).


Sem comentários:

Publicar um comentário