sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

E amanhã lá temos matinée e noite com A FARSA DA RUA W (quer saber uma coisa? é uma peça g-e-n-i-a-l) de Enda Walsh...

...e é o último dia da exposição de esculturas de ÂNGELO DE SOUSA (que segue para a Guarda, onde estará, a partir de Janeiro, no TMG).

Tradução Joana Frazão Com Américo Silva, João Meireles, António Simão, Laurinda Chiungue Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Construções João Prazeres Luz Pedro Domingos Fotografias Jorge Gonçalves Coordenação da Produção Pedro Carraca Assistência Joana Barros M16

No Teatro da Politécnica até 14 de Janeiro
4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | sáb às 16h00 e às 21h00
Reservas | 961960281

DINNY A Irlanda é um buraco terrível e não vou ser eu a discutir isso… mas digo-te uma coisa… dá aos tontos a hipótese de mostrarem o que valem.

Enda Walsh, A Farsa da Rua W

O texto está editado nos Livrinhos de Teatro (nº37)
Duração 1h40`: 1ª acto 40 minutos | Intervalo 10 minutos | 2ª acto 50 minutos

No Teatro da Politécnica até 17 de Dezembro
4ª a Sáb das 15h00 às 21h00 (e depois dos espectáculos)

O sentido de um desenho de Ângelo só se completa quando compreendemos a morte do plano e o entendemos como um objecto no espaço através da sua escultura, se é que ainda podemos empregar esta palavra. Daí a relação tão íntima dela com as séries de desenhos. Formas geométricas articuladas no sentido da pura visualidade que nos levam a pensar nos jogos perceptivos e na imagem.

Filomena Serra

Sem comentários:

Publicar um comentário